Rádio Observador

Dança

Culturgest. Visitantes vão ser desafiados a dançar na exposição sobre Steve Paxton

Durante a exposição "Esboço de Técnicas Interiores" será possível ver dança ao vivo e ser desafiado para dançar, de modo a ter uma experiência de movimento imerso no universo de Paxton.

Steve Paxton, nascido em 1939, iniciou a sua carreira nos anos 1950

via Facebook @culturgest

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O público vai ser desafiado a dançar numa exposição dedicada à vida e obra do coreógrafo norte-americano Steve Paxton, que se encontra em Portugal para abrir um ciclo que inclui ainda espetáculos e conferências na Culturgest, em Lisboa.

A exposição, que é inaugurada na sexta-feira, às 22h, intitula-se “Esboço de Técnicas Interiores”, tem curadoria de Romain Bigé e de João Fiadeiro, dois balarinos que conheceram e estudaram com Steve Paxton ainda jovens, e que hoje apresentaram o projeto aos jornalistas.

“Conheci-o quando tinha 23 anos, nos anos 1980, e foi muito importante, uma experiência que me mudou como ser humano e como bailarino”, comentou João Fiadeiro no início da exposição, que usa sobretudo o vídeo como suporte para mostrar imagens de trabalhos individuais e coletivos de Paxton.

Steve Paxton, nascido em 1939, iniciou a sua carreira nos anos 1950, dançou com José Limon e Merce Cunningham, foi um dos fundadores do Judson Dance Theatre, fonte de criações coletivas que lançaram as raízes da dança pós-moderna e membro fundador do coletivo de improvisação nova-iorquino Grand Union.

Na exposição, o visitante poderá ver dança ao vivo – pois foram convidados bailarinos de escolas e companhias de dança para atuarem numa das salas preparada para o efeito – e até será desafiado a dançar, uma ideia dos curadores para que o público participe e tenha uma experiência de movimento imerso no universo de Paxton.

Delfim Sardo, programador da Culturgest na área das artes plásticas, sublinhou que a exposição é uma parte deste ciclo sobre o trabalho, a obra e a vida de Steve Paxton, “que fazem uma unidade indissociável”.

O que temos vindo a fazer na Culturgest é tentar perceber o que é o mundo de hoje olhando para trás, buscando referências no passado recente”, contextualizou.

Sardo descreveu Steve Paxton como “um artista da dança que reequacionou o seu contexto num eixo global das artes”, já que as técnicas que criou — “Contact Improvisation” (“Contacto Improvisação”) e “Material for the Spine” (“Material para a Coluna”) –, tornaram-se também marcantes para o universo das artes visuais.

O coreógrafo, de 80 anos, que esteve presente por alguns momentos durante a visita de imprensa, disse: “Eu só vivi a minha vida e não estava na posição de a representar”.

“Quando vemos os bailarinos a dançar podemos tomar também essa experiência da dança. É algo muito estimulante, não é nada passivo”, observou, sobre a exposição dedicada à sua obra.

Em entrevista à Lusa, no início da semana, por correio eletrónico, Paxton mostrou-se surpreendido com esta iniciativa: “Em teoria, é divertido e, para mim, um ensinamento de como o meu trabalho é percebido”.

Esta quinta-feira, na apresentação da mostra, João Fiadeiro sublinhou, ao longo do percurso expositivo, algumas das ideias que Paxton introduziu, nos anos 1970, que viriam a ser revolucionárias, nomeadamente a visão da dança como uma constante troca de “preliminares” entre os bailarinos – em vez da tradicional tensão crescente que levava a um clímax, ou a promoção da igualdade do papel dos bailarinos, homens e mulheres, com o mesmo destaque em palco.

Na entrevista à Lusa, o coreógrafo disse acreditar que o seu trabalho “ainda representa a investigação” nesta área.

Se for assim, espero que represente não apenas as minhas descobertas, mas também a ideia de explorar o movimento do corpo humano com novas descobertas em vista. A dança é um dos poucos instrumentos que temos para conseguir concretizar isso”, sustentou.

A exposição ficará patente até ao dia 14 de julho, e haverá a apresentação de algumas performances históricas em palco (no sábado e nos dias 20 a 23 de março), uma série de cinco conferências, a primeira das quais com o próprio Paxton (no domingo, 21 de março, e nos dias 30 de maio, 6 de junho e 25 de junho).

No contexto do ciclo Steve Paxton, a Culturgest apresenta três peças históricas de Paxton, reinterpretadas pelo coreógrafo e bailarino esloveno Jurij Konjar, nomeadamente “Flat” (1964), “Satisfyin Lover” (1967).

Tendo passado muitos anos em digressão, improvisando em solo, dueto ou em grupo, Paxton vive desde a década de 1970 numa comunidade artística no norte de Vermont, nos Estados Unidos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)