Assunção Cristas

Assunção Cristas mostra sucesso de várias gerações de mulheres

A líder do CDS-PP celebrou o Dia da Mulher com uma visita à Casa Ermelinda Freitas. Cristas quis realçar a "história de sucesso de grandes mulheres", nomeadamente no setor agrícola.

Assunção Cristas quis mostrar com a visita o sucesso de várias gerações de mulheres, sem esquecer a discriminação de que continuam a ser vítimas

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A presidente do CDS-PP celebrou esta sexta-feira o Dia Internacional da Mulher com uma visita à Casa Ermelinda Freitas para mostrar o sucesso de várias gerações de mulheres, sem esquecer a discriminação de que continuam a ser vítimas.

“No Dia Internacional da Mulher, quisemos realçar este aspeto positivo, esta história de sucesso de grandes mulheres que souberam inovar, com rasgo, com ambição, com vontade de fazer diferente. E, num mundo muito de homens, impor-se pela sua qualidade, pelo seu mérito e pelo seu trabalho”, disse Assunção Cristas durante a visita em que se fez acompanhar pelo presidente do Partido Popular Europeu (PPE), Joseph Daul, e pelo eurodeputado e cabeça de lista do CDS-PP para eleições para o Parlamento Europeu, Nuno Melo.

Joseph Daul, contou a líder dos centristas, é “também ele um agricultor, da Alsácia, um europeu convicto”. “E temos o grande gosto de visitar esta casa feita de cinco gerações de mulheres — a Casa Ermelinda Freitas”, sublinhou, lembrando “o trabalho de tantas mulheres, num mundo muito masculino, que é o mundo da agricultura particularmente masculino neste setor do vinho” e onde também se tem sentido uma transformação ao longo dos anos.

Assunção Cristas, que falava aos jornalistas depois da visita à Casa Ermelinda de Freitas, na localidade de Fernando Pó, em Palmela, no distrito de Setúbal, disse que esta empresa de mulheres no setor agrícola é um exemplo que inspira o CDS-PP e o PPE, mas lembrou que há muito para fazer para acabar com a discriminação das mulheres, a nível nacional e europeu.

“Hoje estamos melhor do que há umas décadas atrás, embora ainda muito longe daquilo que é o nosso ideal, que é, um dia, podermos ter atingido um tal nível de reconhecimento de uma sociedade plural, feita de homens, de mulheres e do seu esforço, que já não precisemos de sinalizar o Dia Internacional da Mulher. Falta muito para lá chegar. No CDS temos consciência disso e estamos na primeira linha da luta pelos direitos das mulheres”, acrescentou.

A violência doméstica e a dificuldade das mulheres em chegarem aos lugares de topo, a disparidade salarial, foram alguns dos problemas referidos por Assunção Cristas para sublinhar o muito que ainda há a fazer para combater a discriminação das mulheres em Portugal e na Europa.

“Basta olhar para os números para percebermos que [Portugal] ainda é um mundo de homens, embora cada vez menos. E eu fico feliz por perceber que, em vários domínios, no parlamento, também nos municípios — embora aí muito atrás, ainda pior do que no parlamento -, nos governos, cada vez mais as mulheres têm uma presença”, disse.

Mas, recordou, a verdade é que em Portugal ainda não houve nenhuma primeira-ministra eleita, nenhum Presidente da República, mulher, eleita, nem presidentes de câmara eleitos em Lisboa e no Porto, as maiores autarquias do país. “Há muito trabalho para fazer no país”, assinalou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)