Rádio Observador

Futebol

Dani Olmo, o médio que brilhou contra o Benfica. Escapou ao Barcelona e pode agora escapar à seleção espanhola

101

Dani Olmo, o melhor jogador do Dínamo que bateu o Benfica, saiu do Barcelona com 16 anos e agora pode escolher jogar pela Croácia. "Se jogasse no Benfica, valia tanto como Félix", diz o treinador.

O médio tem 20 anos e está no Dínamo Zagreb há cinco temporadas

Getty Images

Em Roma, durante a segunda semana de fevereiro, o FC Porto perdeu a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões graças a um bis de Nicolò Zaniolo, médio de 19 anos que já anda no radar do Real Madrid como um dos nomes onde assentará a eventual revolução que Florentino Pérez quer colocar em prática no pós semana horribilis. Na altura, muito se escreveu sobre o jovem italiano que é a nova coqueluche da equipa italiana e que o Inter Milão cedeu ao desbarato, cego pela vontade de ter Nainggolan. Esta quinta-feira, também o Benfica foi surpreendido pela qualidade de um médio criativo e imprevisível: e aos encarnados só resta esperar que a história termine como a do FC Porto e a desvantagem da primeira mão fora seja invertida na segunda em casa.

Dani Olmo, que para as Finanças espanholas é Daniel Carvajal, é a estrela do Dínamo Zagreb que venceu o Benfica e conquistou uma importante vantagem nos oitavos de final da Liga Europa. O médio espanhol de apenas 20 anos não marcou como havia feito Zaniolo mas foi o melhor jogador da equipa croata e sofreu a grande penalidade cometida por Rúben Dias que culminou no golo de Petkovic. Olmo, que representa o Dínamo há cinco anos, atua habitualmente na posição 10 e é o grande maestro do treinador Nenad Bjelica, que o coloca enquanto distribuidor de jogo para as alas e a frente de ataque, criando desequilíbrios entre linhas e incursões por terrenos mais interiores que ontem apanharam de surpresa Ferro, Rúben Dias, Grimaldo e Corchia.

O médio espanhol tem sido um dos principais responsáveis pela campanha do Dínamo Zagreb na Liga Europa

Considerado o Jogador do Ano na Croácia no final de 2018, Olmo é um produto da formação do Barcelona, depois de um período inicial onde chegou a representar o Espanyol. Visto como uma das principais promessas de La Masia até aos 16 anos — a par com Carles Aleñà, atualmente no plantel principal dos catalães –, foi exatamente com essa idade que o médio decidiu tomar a surpreendente opção de se mudar para a Croácia e para o modesto Dínamo Zagreb. Filho de ex-jogador e atual treinador, Dani Olmo explicou mais tarde que a decisão surgiu quando olhou em volta e analisou as chances que teria de chegar à equipa principal do Barcelona. “Não foi fácil abandonar um clube como o Barcelona, mas foi a decisão correta. Tive momentos difíceis mas não me arrependi em momento algum”, garantiu o espanhol em dezembro, na cerimónia em que recebeu o prémio de melhor jogador da Liga croata, que é escolhido pelos capitães de todas as equipas do principal escalão. Na altura, mostrou-se ainda “honrado” por estar a receber uma distinção que em anos passados foi dada a Modric, Mandzukic e Kramaric.

Depois de chegar à Croácia durante o verão de 2014, Olmo passou os primeiros meses na equipa B do Dínamo e só se estreou no plantel principal em fevereiro do ano seguinte, contra o Lokomotiv. Daí para cá, afirmou-se como titular indiscutível dos campeões croatas, renovou contrato por mais quatro anos e é um dos líderes da equipa que está a realizar a melhor campanha europeia do Dínamo Zagreb em 20 anos. Ficou em 11.º lugar na escolha do Golden Boy 2018 que acabou por ir para o central De Ligt (à frente de Mbappé, por exemplo) e os 32 jogos e seis golos que leva esta temporada, aliados às assistências e às grandes exibições, levaram Liverpool, Bayern Munique, Real Madrid, Arsenal, Manchester City, Borussia Dortmund, Juventus, PSG e Atl. Madrid a assistir à segunda mão dos 16 avos de final em Zagreb, quando o Dínamo venceu o Viktoria Plzen por 3-0 e carimbou a passagem à fase seguinte.

Espanhol mas a viver na Croácia desde os 16 anos, Dani Olmo já expressou o interesse de adquirir cidadania croata e representar a seleção de Modric e Mandzukic nas competições oficiais — ainda que em outubro se tenha estreado pelos sub-21 da seleção espanhola, num jogo contra a Dinamarca. “Espanha é a minha pátria e estou muito feliz por ter jogado com os sub-21. Também treinei com a equipa principal mas isso ainda não significa nada. O tempo dirá se jogarei com a Croácia ou com Espanha”, garantiu o médio no final do ano passado.

Após o final da partida desta quinta-feira, o treinador Nenad Bjelica elogiou aquele que é, atualmente, o melhor jogador do Dínamo Zagreb e comparou-o a João Félix. “Já disse que se Dani Olmo jogasse no Benfica, teria pelo menos o mesmo valor que o de João Félix. É um jogador em desenvolvimento que tem um valor excecional”, garantiu o técnico croata. A verdade é que, valendo menos ou mais do que o jogador português, o Mundo Deportivo garantia em novembro que Pep Segura, diretor para o futebol do Barcelona, e Eric Abidal, secretário técnico dos catalães, reuniram com o empresário do médio espanhol para acertar o regresso de Olmo a Camp Nou. Regresso esse que, nunca ficando abaixo dos 25 milhões de euros, representará uma perda significativa para o Barcelona, que há cinco anos deixou sair um valioso produto da formação a custo zero.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)