Em Roma, durante a segunda semana de fevereiro, o FC Porto perdeu a primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões graças a um bis de Nicolò Zaniolo, médio de 19 anos que já anda no radar do Real Madrid como um dos nomes onde assentará a eventual revolução que Florentino Pérez quer colocar em prática no pós semana horribilis. Na altura, muito se escreveu sobre o jovem italiano que é a nova coqueluche da equipa italiana e que o Inter Milão cedeu ao desbarato, cego pela vontade de ter Nainggolan. Esta quinta-feira, também o Benfica foi surpreendido pela qualidade de um médio criativo e imprevisível: e aos encarnados só resta esperar que a história termine como a do FC Porto e a desvantagem da primeira mão fora seja invertida na segunda em casa.

Dani Olmo, que para as Finanças espanholas é Daniel Carvajal, é a estrela do Dínamo Zagreb que venceu o Benfica e conquistou uma importante vantagem nos oitavos de final da Liga Europa. O médio espanhol de apenas 20 anos não marcou como havia feito Zaniolo mas foi o melhor jogador da equipa croata e sofreu a grande penalidade cometida por Rúben Dias que culminou no golo de Petkovic. Olmo, que representa o Dínamo há cinco anos, atua habitualmente na posição 10 e é o grande maestro do treinador Nenad Bjelica, que o coloca enquanto distribuidor de jogo para as alas e a frente de ataque, criando desequilíbrios entre linhas e incursões por terrenos mais interiores que ontem apanharam de surpresa Ferro, Rúben Dias, Grimaldo e Corchia.

O médio espanhol tem sido um dos principais responsáveis pela campanha do Dínamo Zagreb na Liga Europa

Considerado o Jogador do Ano na Croácia no final de 2018, Olmo é um produto da formação do Barcelona, depois de um período inicial onde chegou a representar o Espanyol. Visto como uma das principais promessas de La Masia até aos 16 anos — a par com Carles Aleñà, atualmente no plantel principal dos catalães –, foi exatamente com essa idade que o médio decidiu tomar a surpreendente opção de se mudar para a Croácia e para o modesto Dínamo Zagreb. Filho de ex-jogador e atual treinador, Dani Olmo explicou mais tarde que a decisão surgiu quando olhou em volta e analisou as chances que teria de chegar à equipa principal do Barcelona. “Não foi fácil abandonar um clube como o Barcelona, mas foi a decisão correta. Tive momentos difíceis mas não me arrependi em momento algum”, garantiu o espanhol em dezembro, na cerimónia em que recebeu o prémio de melhor jogador da Liga croata, que é escolhido pelos capitães de todas as equipas do principal escalão. Na altura, mostrou-se ainda “honrado” por estar a receber uma distinção que em anos passados foi dada a Modric, Mandzukic e Kramaric.

Depois de chegar à Croácia durante o verão de 2014, Olmo passou os primeiros meses na equipa B do Dínamo e só se estreou no plantel principal em fevereiro do ano seguinte, contra o Lokomotiv. Daí para cá, afirmou-se como titular indiscutível dos campeões croatas, renovou contrato por mais quatro anos e é um dos líderes da equipa que está a realizar a melhor campanha europeia do Dínamo Zagreb em 20 anos. Ficou em 11.º lugar na escolha do Golden Boy 2018 que acabou por ir para o central De Ligt (à frente de Mbappé, por exemplo) e os 32 jogos e seis golos que leva esta temporada, aliados às assistências e às grandes exibições, levaram Liverpool, Bayern Munique, Real Madrid, Arsenal, Manchester City, Borussia Dortmund, Juventus, PSG e Atl. Madrid a assistir à segunda mão dos 16 avos de final em Zagreb, quando o Dínamo venceu o Viktoria Plzen por 3-0 e carimbou a passagem à fase seguinte.

Espanhol mas a viver na Croácia desde os 16 anos, Dani Olmo já expressou o interesse de adquirir cidadania croata e representar a seleção de Modric e Mandzukic nas competições oficiais — ainda que em outubro se tenha estreado pelos sub-21 da seleção espanhola, num jogo contra a Dinamarca. “Espanha é a minha pátria e estou muito feliz por ter jogado com os sub-21. Também treinei com a equipa principal mas isso ainda não significa nada. O tempo dirá se jogarei com a Croácia ou com Espanha”, garantiu o médio no final do ano passado.

Após o final da partida desta quinta-feira, o treinador Nenad Bjelica elogiou aquele que é, atualmente, o melhor jogador do Dínamo Zagreb e comparou-o a João Félix. “Já disse que se Dani Olmo jogasse no Benfica, teria pelo menos o mesmo valor que o de João Félix. É um jogador em desenvolvimento que tem um valor excecional”, garantiu o técnico croata. A verdade é que, valendo menos ou mais do que o jogador português, o Mundo Deportivo garantia em novembro que Pep Segura, diretor para o futebol do Barcelona, e Eric Abidal, secretário técnico dos catalães, reuniram com o empresário do médio espanhol para acertar o regresso de Olmo a Camp Nou. Regresso esse que, nunca ficando abaixo dos 25 milhões de euros, representará uma perda significativa para o Barcelona, que há cinco anos deixou sair um valioso produto da formação a custo zero.