Rádio Observador

Ministério Administração Interna

MAI manifesta desejo de no futuro ver mulheres a dirigirem a PSP

O ministro da Administração Interna manifestou o desejo de no futuro ver uma mulher como diretora nacional ou diretora nacional adjunta da Polícia de Segurança Pública.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Administração Interna (MAI) manifestou esta sexta-feira, em Lisboa, o desejo de no futuro ver uma mulher como diretora nacional ou diretora nacional adjunta da Polícia de Segurança Pública (PSP).

Eduardo Cabrita falava na cerimónia do Dia da Mulher na PSP (assinalando o Dia Internacional da Mulher), assinalado com um concerto da Banda Sinfónica da polícia e com lançamento do Hino da Mulher na PSP, apadrinhado pela cantora Rita Guerra.

“Julgo que não será neste mandato, dado que o atual Governo está a poucos meses de cessar funções, mas tendo sido já quebrado o tabu da existência de mulheres como ministras da Administração Interna, estou certo que e espero estar ativo a tempo para assistir ao dia em que teremos uma mulher como diretor nacional adjunto da PSP e quiçá um dia uma mulher como diretor nacional da PSP, afirmou o governante.

Eduardo Cabrita declarou que “nesse dia, a PSP estará mais perfeita, mais completa, na sua correspondência com uma polícia de proximidade ao serviço de todos os portugueses e de todas as portuguesas”.

O ministro disse que “só com a revolução de abril, só com a Constituição de 1976, só com a reforma do Código Civil então operada foi possível as mulheres portuguesas terem determinados cargos, como na magistratura, porque lhes era constitucionalmente vedadas”.

“Era esse o quadro do país que pensava que as mulheres tinham certamente um papel importante como mães, como mulheres, como auxiliares, como apoiantes dos seus maridos, mas que tendo funções de natureza profissional tinham-nas num quadro reservado à dimensão que lhe era considerada especialmente proibida”, afirmou.

Assinalou de “uma forma muito singular” que desde 1985 tenham sido aceites mulheres na PSP para uma carreira de oficial de polícia e relevou “essas pioneiras”.

Assinalando que na quinta-feira foi assinalado o dia de luto pela violência doméstica, Eduardo Cabrita frisou que “o papel da mulher hoje na sociedade portuguesa é um papel que deve ser promovido para que possa não ser notícia, possa ser igual ao dos homens na afirmação daquela que é a diversidade que marca a espécie humana e que não se deve esquecer”.

Ao recordar o dia de luto nacional pelas vítimas de violência doméstica, destacou “o papel que nesta matéria toda a PSP tem vindo a desempenhar, mas em que agentes, oficiais mulheres têm tido um papel especial naquele que é um caminho que teve passos importantes, como a criação de áreas de formação específica destinadas a quebrar o temor de revelar os crimes de violência doméstica que normalmente eram escondidos na sociedade, a criação de condições de privacidade para o acolhimento, para o atendimento e para o aconselhamento às vítimas”.

“O papel da mulher hoje na sociedade portuguesa é um papel que deve ser promovido para que possa não ser notícia, possa ser igual ao dos homens na afirmação daquela que é a diversidade que marca a espécie humana e que não nos devemos esquecer”, concluiu.

Por seu turno, o Diretor Nacional da PSP, Luís Farinha, após traçar o percurso das mulheres na polícia afirmou que “muitos obstáculos foram vencidos, mas no contexto mundial é reconhecido que existem muitas barreiras difíceis de transpor, muitas conquistas a fazer e desafios a vencer no plano da igualdade do género e pelo respeito dos Direitos Humanos e pela dignidade das mulheres”.

O mesmo responsável destacou que, “no exercício das suas funções e no desempenho de diversos cargos de comando e direção, as mulheres da PSP têm revelado uma vincada força de caráter e uma profunda vontade de ultrapassar e vencer os desafios, conseguindo aliar a firmeza da ação de comando com a sensibilidade, humanismo e generosidade que fazem das mulheres polícias profissionais de referência e exemplos a seguir por toda a instituição”.

Dirigiu-se às mulheres da PSP pela ocasião do dia, “oficiais, dirigentes, chefes, agentes e mulheres não polícias para lhes agradecer o seu valioso contributo na defesa e salvaguarda dos valores fundamentais que sustentam o Estado de direito democrático e pelo serviço que diariamente prestam aos portugueses e a Portugal”.

“A PSP sente-se honrada pelo enorme profissionalismo e competência, pela inexcedível dedicação e generosidade e pelo profundo sentido de missão que as mulheres têm demonstrado no desempenho das suas funções”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)