Rádio Observador

Dia da Mulher

ONU pede atitudes “rápidas e radicais” a favor da igualdade de género

ONU quer travar o que tenta impedir avanços nos direitos da mulher. Comissária defende que juízes e polícias sejam "treinados" para que preconceitos de género não se sobreponham à proteção da mulher.

A ONU pediu esta sexta-feira atitudes "rápidas e radicais" para promover a igualdade de género e capazes de travar os movimentos que tentam impedir avanços nos direitos das mulheres

JUSTIN LANE/EPA

A ONU pediu esta sexta-feira atitudes “rápidas e radicais” para promover a igualdade de género e capazes de travar os movimentos que tentam impedir avanços nos direitos das mulheres, por ocasião do Dia Internacional da Mulher assinalado esta sexta-feira.

“A nossa cultura dominada por homens tem ignorado, silenciado e oprimido as mulheres durante séculos e até milénios”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, num evento da organização dedicado ao Dia Internacional da Mulher, instituído desde 1975 pelas Nações Unidas.

Na sua intervenção, o representante frisou que o mundo “não pode esperar” para alcançar a igualdade de género, defendendo a necessidade urgente de progressos em diversas áreas, como a representação feminina na política ou a desigualdade salarial verificada entre homens e mulheres. Lacunas que, segundo sublinhou António Guterres, levarão séculos a resolver se o atual ritmo de atuação se mantiver.

Não aceito um mundo que diz às minhas netas que a igualdade económica pode esperar pelas netas das suas netas. O nosso mundo não pode esperar”, prosseguiu o ex-primeiro-ministro português

Guterres alertou ainda que movimentos que tentam limitar os direitos das mulheres têm vindo a ganhar força nas últimas décadas. O secretário-geral da ONU observou que essa reação tem vindo a materializar-se de várias formas: o aumento da violência contra ativistas ou líderes políticas, assédio na Internet, femicídios ou retrocessos legislativos na área da violência doméstica.

“As agendas nacionalistas, populistas e de austeridade aumentam a desigualdade com políticas que limitam os direitos das mulheres e reduzem os serviços sociais. Não podemos abandonar um terreno que foi conquistado durante décadas”, insistiu.

A ONU assinalou o Dia Internacional da Mulher com um grande evento na sede da organização, em Nova Iorque, sob o lema “Pensar na Igualdade, Construir com Inteligência, Inovar para a Mudança”, tema que pretende destacar a importância da inovação para avançar com a igualdade de género.

No evento, e ao lado de Guterres, estiveram as principais dirigentes da ONU como a vice-secretária-geral, Amina Mohammed, e a presidente da Assembleia-geral, Maria Fernanda Espinosa. Guterres, que assumiu o cargo de secretário-geral da ONU em janeiro de 2017, definiu a igualdade de género como uma “prioridade pessoal”.

Em maio de 2018, as Nações Unidas anunciaram que, pela primeira vez na sua história, tinham alcançado a paridade entre os altos funcionários da organização.

Representante da ONU defende proteção e justiça das mulheres

A representante da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos defendeu esta sexta-feira a necessidade de os juízes e de os polícias “serem treinados para que os preconceitos de género não se sobreponham à proteção e à justiça das mulheres”.

“Preconceitos de género enraizados criam ainda mais dificuldades para que as mulheres obtenham justiça”, afirmou Michelle Bachelet numa mensagem sobre o Dia Internacional da Mulher, na qual pediu aos “governos, deputados e autoridades judiciais de todo o mundo que aproveitem a onda de movimento social contra a violência de género”.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos recordou “a coragem e a determinação de mulheres de todo o mundo que lançaram poderosos movimentos sociais e que falaram sobre a violência que sofreram”.

[Deve-se] honrar as gerações de mulheres que transformaram a sociedade ao defender os direitos humanos e ao exigir igualdade, muitas vezes enquanto enfrentavam desafios enormes e com um grande sacrifício pessoal”, assinalou

Michelle Bachelet recordou também os avanços para a igualdade conseguidos recentemente, como a chegada a cargos políticos de grande influência de mulheres em países como a Etiópia, Tunísia, Costa Rica e Estados Unidos.

O Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres (CEDAW, na sigla a inglês) destacou que “a liderança e a participação das mulheres em assuntos políticos é um elemento chave da democracia e um pré-requisito para conseguir o desenvolvimento sustentável”.

“A nossas sociedades não irão usufruir de direitos humanos, paz, desenvolvimento sustentável e inclusivo se as mulheres não exercerem um papel ativo como líderes, tal como os homens”, destacou a presidente do CEDAW, Hilary Gbedemah, num comunicado conjunto subscrito pela União Interparlamentar.

O texto indicou que só 7,2% dos chefes de Estado e 5,7% dos chefes de governo de todo o mundo são mulheres, e que ainda se mantêm estereótipos e formas de discriminação que colocam obstáculos à plena participação de mulheres na política.

“Embora tenha sido feito algum processo na participação política e na liderança das mulheres”, é necessário dar poder político às mulheres, acelerando “o progresso através de políticas específicas e intervenções legais. É tempo de passar da fala à ação.”, disse Hilary Gbedemah.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)