O reitor da Universidade de Lisboa, António Serra, considerou esta sexta-feira, em Maputo, que a proporção de alunos moçambicanos que estudam naquela instituição portuguesa, num total de 150, ainda é reduzida, apontando o objetivo de aumentar esse peso.

“A presença de estudantes moçambicanos é pequena. Estamos em crescimento, mas ainda estamos muito longe” do expectável, referiu o reitor da universidade, que falava em Maputo durante uma sessão de apresentação da instituição e de esclarecimentos sobre o acesso de estudantes internacionais.

O número de 150 estudantes moçambicanos na Universidade de Lisboa, defendeu, “é modesto” para um país com o número de habitantes que tem Moçambique e com as ligações culturais que existem entre os dois países.

“Há um grande caminho a percorrer”, disse Serra, acrescentando que, ainda assim, o número de estudantes moçambicanos quase duplicou nos últimos dois anos.

A Universidade de Lisboa conta com 7.500 estudantes internacionais entre os 50 mil matriculados nos diferentes graus de ensino superior.

Tem acesso ao Estatuto do Estudante Internacional (EEI) e às vagas disponibilizadas neste âmbito em cada curso os estudantes que não tenham nacionalidade portuguesa nem de outro país da União Europeia e não residam em Portugal há mais de dois anos.

Antes de Moçambique, o reitor da Universidade de Lisboa já tinha realizado ações idênticas, na semana passada, na África do Sul.