Rádio Observador

MotoGP

Miguel Oliveira termina estreia no Mundial de Moto GP no 17.º lugar (depois de várias voltas nos pontos)

1.672

Miguel Oliveira saiu da 17.ª posição da grelha, chegou a andar na 13.ª posição durante várias voltas mas acabou por cair na parte final da corrida, terminando a estreia no Mundial de Moto GP em 17.º.

Miguel Oliveira chegou a andar no 13.º lugar como melhor piloto da KTM mas acabou no mesmo lugar da qualificação: 17.º

Getty Images

Foi de noite no Qatar que Miguel Oliveira viu finalmente a luz que tanto ambicionou ao longo de 15 anos de carreira e oito no circuito mundial de Moto GP. Pelo meio, sagrou-se vice-campeão de Moto 3 (2015) e de Moto 2 (2018), tendo ainda uma terceira posição no patamar intermédio em 2017. Agora, aos 24 anos, o piloto português iria fazer a estreia na categoria rainha, ao lado daqueles que mais admirava enquanto fazia o crescimento sustentado até ao escalão mais alto. Este domingo seria o primeiro dia do resto da vida do Falcão da Charneca entre a elite das motos. E ambição não faltava para esse momento histórico.

“Pensava que conseguiria fazer uma volta rápida melhor na qualificação. Não sei se a posição seria melhor mas o tempo podia ter sido. No final houve alguma confusão, muitos pilotos à frente. Estou desapontado com isso mas feliz com o lugar na sexta linha da grelha. Boa posição para lutar por aquele que é o meu objetivo: os pontos”, comentou no final da qualificação, que terminou com o 17.º melhor tempo, saindo a meio da sexta linha atrás da grande referência de sempre, Valentino Rossi (14.º).

Mais uma vez, à semelhança do que aconteceu ao longo da pré-temporada e nos primeiros dias no Qatar, Miguel Oliveira voltou a ser melhor do que o companheiro de equipa da Tech3, o malaio Hafizh Syahrin (22.º), e ficou à frente de outro piloto da KTM, neste caso o francês Johann Zarco (21.º), que teve quedas e muitas dificuldades com a moto. Só mesmo o espanhol Pol Espargaró conseguiu outro resultado, saindo da 16.ª posição com quatro décimas a menos. Dentro da competitividade externa que existe no mundo do Moto GP, havia também esta espécie de “competição” interna onde o português saiu a ganhar. No entanto, e como se percebeu na qualificação e no warm up este domingo, a corrida ia ser um verdadeiro carrossel de emoções.

De forma algo surpreendente atendendo aos primeiros dias de testes, Maverick Viñales (Yamaha) conseguiu a pole position, à frente de Andrea Dovizioso (Ducati) e Marc Márquez (Honda). No warm up, que voltou a contar com o pentacampeão e com Viñales entre os melhores, houve outra moto da Ducati (Danilo Petrucci) e também uma da Suzuki (Álex Rins). Nos pilotos e nas marcas, esta estreia da temporada de 2019 estava a ser recebida com grande expetativa. E a primeira corrida não defraudou essas ambições, com muitas alternâncias entre os primeiros classificados ao longo de quase toda a corrida.

Miguel Oliveira não teve propriamente o melhor arranque, saindo de forma segura para evitar algum toque que lhe pudesse vir a comprometer o resto da corrida após uma passagem pela box que o colocou na cauda do pelotão, mas rapidamente chegou a 16.º, saltando para a frente do italiano Andrea Iannone. Ainda assim, o grande momento do português estaria guardado logo para a quinta volta, quando passou o espanhol Pol Espargaró e subiu à 13.ª posição como o melhor piloto da KTM em pista. Lá na frente, Andrea Dovizioso continuava na liderança, com Jack Miller a não aproveitar a grande saída por causa dos problemas com a moto e com Marc Márquez a discutir o segundo lugar com Álex Rins até o jovem piloto espanhol da Suzuki passar para a primeira posição. Joan Mir, o rookie da Suzuki, continuava a aproximar-se da frente, a par da Ducati de Danilo Petrucci.

Durante várias voltas, Miguel Oliveira foi-se familiarizando com o Moto GP. Literalmente. Estava à frente de Pol Espargaró, também ele da KTM, e tinha logo ali no 12.º lugar a Aprilia Aleix Espagaró, irmão mais velho de Pol. A dez voltas do final, a diferença ia sendo mais reduzida e o português estava apenas a quatro décimas do espanhol de 29 anos que, em 147 corridas feitas no Moto GP, conseguiu apenas por uma vez ficar no pódio (no ano passado acabou o campeonato na 17.ª posição). Na frente, Dovizioso voltou a saltar para a liderança, com Márquez e Rins na sua roda e um grupo de perseguidores onde já estava também Valentino Rossi, “Il Dottore” que a seis voltas do final subiu ao sétimo posto.

Foi também nessa altura que uma volta menos conseguida acabou por atirar Miguel Oliveira para a 14.ª posição, tendo à sua frente os irmãos Espargaró e Iannone. O português acusou essa quebra e, pouco depois, desceria mais um posto, desta vez por troca com o francês Johann Zarco, também ele da KTM. Atrás dele, o piloto que mais problemas teve este fim de semana no Qatar: Jorge Lorenzo. O antigo tricampeão mundial pela Yamaha que trocou este ano a Ducati pela Honda para mudar o rumo recente da carreira conseguiu ainda passar Oliveira, que terminou em 17.º após perder mais um posto na última volta para o francês Fabio Quartararo, que não esteve na saída devido a problemas com a moto que lhe comprometeram a corrida.

Na frente, e com a disputa a prolongar-se até à última curva, Andrea Dovizioso conseguiu segurar o primeiro lugar após o forte ataque de Marc Márquez. Cal Crutchlow, aproveitando uma curva com trajetória mais larga de Álex Rins, garantiu o último lugar do pódio. Numa grande recuperação, Valentino Rossi conseguiu ainda chegar à quinta posição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)