Eleições Europeias

Paulo Rangel acusa PS de prometer o que já existe e foi cumprido

O cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, acusou o PS de prometer no seu manifesto eleitoral medidas que já existem e de não ter usado instrumentos financeiros de que dispunha.

O cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O cabeça-de-lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, acusou este domingo o PS de prometer no seu manifesto eleitoral medidas que já existem e de não ter usado instrumentos financeiros de que dispunha.

“[O manifesto do PS] fala de um plano de investimento quando usou zero euros de um plano de investimento [plano Juncker] que tinha à sua disposição nestes três anos e meio que já leva de Governo. Fala de um programa Garantia Criança como uma grande inovação de apoio à pobreza infantil e até ao incentivo à natalidade quando já estão disponibilizados e previstos para o próximo Quadro [de apoio] cinco mil e 900 milhões de euros, imagine-se, não com o nome Garantia Criança mas Garantia para a Infância”, afirmou Paulo Rangel.

“Este mesmo candidato, este cabeça de lista [do PS, Pedro Marques] apresenta promessas de coisas que já existem e já estão cumpridas. As duas grandes novidades do manifesto do PS já estão aprovadas pelo Parlamento Europeu. Isto é grave, significa que não podemos dar credibilidade nem podemos ter confiança na voz que o PS escolheu para cabeça de lista às eleições europeias”, acusou.

Perante cerca de 70 jovens militantes e simpatizantes da JSD, Paulo Rangel imputou ao candidato do PS um discurso demagógico e irresponsável: “Nós não andamos a falar sobre temas que não conhecemos. Agora é a minha vez de dizer, se Pedro Marques quer mesmo debater, tem de estudar, tem de começar a interessar-se pelos assuntos europeus, tem de debater os assuntos europeus com cuidado. Eu sei que ele não está habituado, mas isto não é o Governo nem é um debate em que se possa fazer apenas propaganda”, sublinhou.

Paulo Rangel frisou que sábado “ficou claro que o PS continua a querer fugir aos debates”, manifestando-se disposto a dar “réplica” e a não deixar os socialistas “sem resposta” às propostas que apresentaram no seu manifesto eleitoral às eleições europeias.

“Não vale a pena o cabeça de lista do PS vir com desculpas, com queixas e com queixinhas que no tom que têm chegam a ser infantis. Ou quer debater ou não quer debater”, frisou Paulo Rangel.

Pedro Marques negou sábado que recuse debates antes das eleições de 26 de maio, mas alega que devem ter lugar “no tempo certo”, quando os seus adversários tiverem propostas para apresentar.

O candidato socialista ao Parlamento Europeu falava no final da Comissão Nacional do PS, que aprovou apenas com um voto contra o manifesto político dos socialistas para as eleições europeias, depois de confrontado pelos jornalistas com a acusação do “número um” da lista do PSD para o Parlamento Europeu, Paulo Rangel, de que recusa debates a dois.

“Isso não é de todo verdade e, logo após a apresentação da minha candidatura, disponibilizei-me para debates no tempo certo, depois de todos os partidos, democraticamente, apresentarem as suas listas a partir de 15 de abril”, justificou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)