Rádio Observador

Ciência

Reitores discutem forma de duplicar captação de verbas europeias para a ciência

Os reitores das Universidades Portuguesas vão reunir-se na próxima sexta-feira, em Aveiro, para discutir a possibilidade de aumentar a captação de verbas europeias para a ciência.

MARIO CRUZ/LUSA

Os reitores das Universidades Portuguesas vão reunir-se na próxima sexta-feira, em Aveiro, para discutir a possibilidade de aumentar a captação de verbas europeias para a Ciência, foi anunciado este domingo. A internacionalização e financiamento da investigação é um dos assuntos que vai estar em discussão durante a segunda convenção do Ensino Superior, organizada pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), que se realiza na Universidade de Aveiro.

Em declarações à Lusa, o presidente do CRUP, António Fontainhas Fernandes, disse que Portugal “está a fazer um bom percurso”, porque nos últimos anos passou de “contribuinte líquido” a “beneficiário líquido” no que respeita a fundos europeus de apoio à investigação e desenvolvimento e à inovação.

“Nos anteriores dois Programa-Quadro, nós pagávamos mais do que recebíamos e, agora, já recebemos mais do que damos, mas a ideia do Governo é que se possa ir buscar o dobro para o próximo Quadro”, explicou Fontainhas Fernandes.

De acordo com dados da Agência Nacional de Inovação, nos primeiros cinco anos do atual Programa-Quadro Comunitário de Investigação e Inovação, o Horizonte 2020 (2014 a 2020), as entidades portuguesas captaram 685 milhões de euros de financiamento, sendo os principais beneficiários os centros de Investigação & Desenvolvimento, seguindo-se as universidades e as Pequenas e Médias Empresas. No entanto, estima-se que este valor poderá ultrapassar os 700 milhões de euros, com o apuramento de todos os concursos de 2018 ainda pendentes, chegando aos mil milhões, no final do programa.

“Isto significa que a nossa taxa de sucesso em termos de atração de fundos comunitários é bastante superior à da média europeia”, disse o presidente do CRUP e reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, considerando que “é possível fazer melhor”.

A mesma opinião tem Pedro Teixeira, diretor do Centro de Investigação de Políticas do Ensino Superior (CIPES), para quem “a escala e a seletividade” são dois fatores que explicam o sucesso de algumas entidades na captação de fundos. O diretor do CIPES realça que os programas europeus são “muito competitivos”, defendendo que as instituições devem apostar em equipas de investigação “com peso numa determinada área” e devem ter “alguma seletividade do ponto de vista da sua estratégia de investigação”.

“Estamos a concorrer com a primeira divisão em termos mundiais da investigação e para estarmos aí temos que ser seletivos. Não vamos poder aspirar a estar na primeira divisão em todas as modalidades. Na maior parte das instituições, era preciso que pensassem quais são as áreas ‘core’ onde vão apostar”, referiu.

Pedro Teixeira, que é também consultor do Presidente da República para o Ensino Superior e Ciência, destacou ainda a transversalidade em termos disciplinares, adiantando que a capacidade de juntar pessoas de várias áreas científicas “explica uma parte significativa da vitalidade e sucesso em termos de investigação e financiamento dessas entidades”.

O presidente do Conselho de Reitores diz que também é preciso “uma melhor articulação” entre a ciência e o ensino superior, para haver mais investigadores a dar aulas, além de maior desburocratização e flexibilidade.

“Hoje em dia, não interessa só captar investimentos. Importa depois executá-los e é necessário dar aqui mais alguma flexibilidade nos mecanismos da contratação pública. Já melhorámos, mas é preciso ainda dar passos maiores, atribuindo mais flexibilidade e mais autonomia às instituições”, disse Fontainhas Fernandes.

A convenção do Ensino Superior contará com a presença do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, na abertura dos trabalhos. Nelson de Souza, o novo ministro do Planeamento, encerrará a sessão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)