Rádio Observador

Desporto

Inês Henriques acusa o COI de não defender a igualdade de oportunidades de géneros

202

O Comité Olímpico aprovou a prova de 50 km para os homens mas recusa integrar a prova feminina devido ao excesso de provas. Atleta portuguesa promete recorrer aos tribunais em nome da igualdade.

Inês Henriques é campeã mundial e europeia dos 50 quilómetros de marcha femininos. Foto: HAYOUNG JEON/EPA

HAYOUNG JEON/EPA

A prova dos 50 quilómetros marcha femininos não está na lista para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. A informação chega através da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), que divulgou o quadro com os mínimos olímpicos necessários para ir ao Japão que confirma a exclusão da prova. Na realidade, a competição nunca foi uma prova olímpica.

A atleta mais descontente com esta decisão foi a portuguesa Inês Henriques, a campeã do mundo e da Europa na categoria. Em declarações ao Observador, a marchadora promete “recorrer da decisão”.

Henriques já havia confessado estar à espera do parecer do Comité Olímpico Internacional (COI) sobre a integração dos 50 quilómetros femininos nos Jogos Olímpicos. Era a única peça que faltava, já que a IAAF teria feito chegar a recomendação ao COI. Acontece que a prova foi recusada pelo Comité Internacional. “O que a IAAF alega é que o Comité [Olímpico Internacional] limitou o número de provas e não quer que a IAAF faça mais nenhuma competição”, diz Inês Henriques ao Observador.

Porém, ao que parece houve mesmo lugar para uma prova nova. Na lista divulgada pela IAAF constava uma prova de 4×400 metros mistos, que nunca figurou numa competição internacional. “O que é certo é que estão a introduzir uma prova mista que nunca existiu em grandes campeonatos e não estão a introduzir os 50 quilómetros femininos, que já integram grandes competições”, desabafou.

A prova feminina ficou de fora, mas os 50 quilómetros de marcha masculinos mantêm-se o que, no entender de Inês Henriques, mostra “desigualdade de oportunidades” entre homens e mulheres. “Vai continuar a haver sempre desigualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Os homens vão poder fazer os 50 quilómetros nos Jogos Olímpicos, uma prova de 60 atletas. Vão haver nos Jogos Olímpicos menos 60 mulheres. Não está correto”.

Ainda assim, Inês Henriques e as restantes atletas prometem lutar para que os 50 quilómetros de marcha femininos figurem nos Jogos Olímpicos de Tóquio. “As mulheres dos 50 quilómetros estão todas com vontade de lutar. Dei autorização ao advogado para recorrer e colocar o meu nome em primeiro lugar”, disse ao Observador.

Esperançosa de que ainda é possível que a prova integre os Jogos Olímpicos, Inês Henriques admite querer despedir-se da competição em beleza. “Queria despedir-me dos Jogos Olímpicos na prova em que sou campeã do mundo e da Europa”.

Inês garante estar concentrada no que falta disputar. “Vou continuar a trabalhar, independentemente de qual seja a decisão final. Este ano estou centrada na Taça da Europa em maio e no Campeonato do Mundo. Não vamos baixar os braços em relação aos Jogos Olímpicos, mas depois do Campeonato do Mundo faço a minha reflexão”.

Entretanto, o presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP), José Manuel Constantino, já reagiu nesta segunda-feira, dizendo que a possibilidade dos 50 quilómetros marcha femininos serem introduzidos como disciplina olímpica em Tóquio2020 “ainda não foi excluída”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)