Desporto

Inês Henriques acusa o COI de não defender a igualdade de oportunidades de géneros

202

O Comité Olímpico aprovou a prova de 50 km para os homens mas recusa integrar a prova feminina devido ao excesso de provas. Atleta portuguesa promete recorrer aos tribunais em nome da igualdade.

Inês Henriques é campeã mundial e europeia dos 50 quilómetros de marcha femininos. Foto: HAYOUNG JEON/EPA

HAYOUNG JEON/EPA

A prova dos 50 quilómetros marcha femininos não está na lista para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. A informação chega através da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), que divulgou o quadro com os mínimos olímpicos necessários para ir ao Japão que confirma a exclusão da prova. Na realidade, a competição nunca foi uma prova olímpica.

A atleta mais descontente com esta decisão foi a portuguesa Inês Henriques, a campeã do mundo e da Europa na categoria. Em declarações ao Observador, a marchadora promete “recorrer da decisão”.

Henriques já havia confessado estar à espera do parecer do Comité Olímpico Internacional (COI) sobre a integração dos 50 quilómetros femininos nos Jogos Olímpicos. Era a única peça que faltava, já que a IAAF teria feito chegar a recomendação ao COI. Acontece que a prova foi recusada pelo Comité Internacional. “O que a IAAF alega é que o Comité [Olímpico Internacional] limitou o número de provas e não quer que a IAAF faça mais nenhuma competição”, diz Inês Henriques ao Observador.

Porém, ao que parece houve mesmo lugar para uma prova nova. Na lista divulgada pela IAAF constava uma prova de 4×400 metros mistos, que nunca figurou numa competição internacional. “O que é certo é que estão a introduzir uma prova mista que nunca existiu em grandes campeonatos e não estão a introduzir os 50 quilómetros femininos, que já integram grandes competições”, desabafou.

A prova feminina ficou de fora, mas os 50 quilómetros de marcha masculinos mantêm-se o que, no entender de Inês Henriques, mostra “desigualdade de oportunidades” entre homens e mulheres. “Vai continuar a haver sempre desigualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Os homens vão poder fazer os 50 quilómetros nos Jogos Olímpicos, uma prova de 60 atletas. Vão haver nos Jogos Olímpicos menos 60 mulheres. Não está correto”.

Ainda assim, Inês Henriques e as restantes atletas prometem lutar para que os 50 quilómetros de marcha femininos figurem nos Jogos Olímpicos de Tóquio. “As mulheres dos 50 quilómetros estão todas com vontade de lutar. Dei autorização ao advogado para recorrer e colocar o meu nome em primeiro lugar”, disse ao Observador.

Esperançosa de que ainda é possível que a prova integre os Jogos Olímpicos, Inês Henriques admite querer despedir-se da competição em beleza. “Queria despedir-me dos Jogos Olímpicos na prova em que sou campeã do mundo e da Europa”.

Inês garante estar concentrada no que falta disputar. “Vou continuar a trabalhar, independentemente de qual seja a decisão final. Este ano estou centrada na Taça da Europa em maio e no Campeonato do Mundo. Não vamos baixar os braços em relação aos Jogos Olímpicos, mas depois do Campeonato do Mundo faço a minha reflexão”.

Entretanto, o presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP), José Manuel Constantino, já reagiu nesta segunda-feira, dizendo que a possibilidade dos 50 quilómetros marcha femininos serem introduzidos como disciplina olímpica em Tóquio2020 “ainda não foi excluída”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)