Rádio Observador

MINI

Mini eléctrico não chegou. E já está ultrapassado?

A BMW quis poupar quando optou por uma plataforma que servisse quer para modelos a combustão, quer para híbridos plug-in ou eléctricos a bateria. Resultado: parece que o Mini eléctrico não vai longe…

Em Setembro, no Salão de Frankfurt, a Mini deverá dar a conhecer a versão de produção do seu primeiro modelo eléctrico movido exclusivamente a bateria, o Mini Cooper SE, cuja entrada em produção está prevista para Novembro, a tempo ainda de algumas unidades serem entregues aos clientes antes do final do ano.

Os preços, esses, estão por fechar, como é natural a esta distância de chegar ao mercado, pese embora haja quem já se atreva a dar uma ordem de valores. Aos jornalistas que se encontram a testar o protótipo em Munique, Alemanha, o gestor de produto Jacopo Marchetti confidenciou que o Mini SE vai alinhar pelo preço do Cooper S. O que significa que estaremos a falar de um valor “competitivo”, na ordem dos 32.000€.

E em troca, o que a Mini tem para oferecer ao cliente? Menos do que dava há 10 anos no Mini E, o seu “verdadeiro” primeiro automóvel eléctrico. Foram produzidas apenas 500 unidades, mas nenhuma foi vendida. Foram (isso sim) expedidas para os EUA e alugadas a “clientes seleccionados” por 825 dólares mensais. Findo o leasing, os carros regressaram à Alemanha, pois o objectivo era fazer deste projecto uma espécie de experiência em ambiente real, que permitisse à marca evoluir a sua tecnologia eléctrica. Ora, 12 anos depois, comparando Mini E e futuro Cooper SE, a evolução tem um certo “sabor” a retrocesso. Enquanto o E tinha um motor de 204 cv e anunciava uma autonomia de 240 km, o SE monta no eixo da frente o motor eléctrico de 135 Kw (184 cv) que já equipa o BMW i3s. Depois, como a capacidade da bateria é modesta (33,2 kWh; útil 29 kWh), o novo Mini eléctrico vai menos longe do que ia o antigo Mini E.

Os dados ainda não são definitivos, mas a marca britânica confessou aos jornalistas que a autonomia não deverá ir além das 118 milhas (190 km), de acordo com o protocolo EPA – mais próximo da realidade do que o “nosso” novo WLTP. Significa isto que, quando arrancar a sua comercialização em força (2020), o novo Mini SE está ultrapassado face a concorrentes que, já hoje, oferecem maior autonomia por valores similares. Algo que Marchetti desdramatiza, realçando que os clientes da marca, “em média, não percorrem mais de 37 km”. Assim, o construtor assume que espera um alcance entre os 200 e os 250 km no ciclo europeu (WLTP), ou seja, um valor inferior ao que os dois eléctricos mais vendidos, na Europa e no mundo, já oferecem aos seus clientes – Nissan Leaf 40 kWh, 270 km; Renault Zoe 41 kWh, 300 km.

É a desvantagem de recorrer a uma plataforma que, se por um lado limita os custos de produção, por outro limita também a capacidade de retirar o máximo potencial da tecnologia eléctrica. Os engenheiros “revisitaram” a arquitectura de tracção dianteira UKL para adaptá-la à propulsão eléctrica, mas não há milagres. Se é verdade que a marca se poupou a investimentos adicionais que seriam exigidos para alterar a linha de produção, o facto de o SE poder ser fabricado na mesma linha de onde saem os hatches com motor de combustão implica ter de explorar uma base que não foi projectada especificamente para BEV, o que obriga a ter de explorar inteligentemente todos os recantos da plataforma – os que já existem e não necessariamente os ideais.

O pack de baterias de iões de lítio está disposto em “T” no túnel longitudinal, normalmente usado para o escape e para a transmissão, sendo as células fornecidas pela chinesa CATL (em vez das Samsung que equipam o i3s). Há dois modos de regeneração de energia e um novo sistema de controlo de tracção. Face ao três portas standard, o peso do conjunto (54/46) soma mais 120 kg.

Por fora, as diferenças são mínimas, sendo necessário um olhar mais atento para distinguir o Cooper SE dos demais: há que reparar na nova grelha à frente, no pára-choques traseiro sem saídas de escape ou nos logótipos específicos desta variante. Já por dentro, este é um Mini igual a todos os outros, potencialmente com um pouco mais de espaço por se ter visto livre da mecânica a combustão, e com a devida informação no painel de instrumentos.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)