Rádio Observador

Rússia

Ministro dos Negócios Estrangeiros russo rejeita exigência dos EUA de deixar de comprar crude venezuelano

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, rejeitou a exigência do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, de que a Rússia deixe de comprar petróleo venezuelano.

O ministro russo acusou um "pequeno grupo de países" liderado pelos EUA de elaborar um conjunto de regras para o seu próprio benefício

SERGEI CHIRIKOV/EPA

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, rejeitou nesta terça-feira a exigência do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, de que a Rússia deixe de comprar petróleo venezuelano. Lavrov expressou a sua indignação após Pompeo, ter acusado, na segunda-feira, a maior empresa de petróleo da Rússia (Rosneft) de violar as sanções dos EUA e exigido que esta pare de comprar petróleo à empresa petrolífera estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA).

“Não é coincidência os nossos colegas norte-americanos e de outros países não usarem mais o termo ‘direito internacional'”, disse Lavrov numa conferência de imprensa. “Isso faz parte do direito internacional? De forma nenhuma”, declarou Lavrov, vinculando a compra de petróleo venezuelano às regras de concorrência promovidas pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

O ministro russo acusou um “pequeno grupo de países” liderado pelos EUA de elaborar um conjunto de regras para o seu próprio benefício e tentar impô-las ao resto da comunidade internacional. Além disso, denunciou que tais atitudes podem ser “contagiosas”, referindo que o líder da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaidó – reconhecido como Presidente interino da Venezuela por cinquenta países -, defendeu que Caracas deve parar de vender petróleo a Cuba.

Num comunicado, a Rosneft, que tem grandes interesses e vários projetos conjuntos nos países latino-americanos, refutou hoje as exigências de Washington com uma declaração referindo que “não se dedica à política e tem atividades unicamente comerciais no interesse dos seus acionistas”. Na nota, a empresa russa enfatizou que os projetos conjuntos de fornecimento e extração de petróleo são regidos por contratos assinados “muito antes” de os EUA imporem “sanções unilaterais” contra a Venezuela.

Segundo a Rosneft, alguns analistas acreditam que as ações da Casa Branca contra o setor de energia da Venezuela podem ser ditadas pelo objetivo de “monopolizar” o mercado para o benefício de empresas próximas da administração dos EUA. “A Rosneft vai estudar as consequências das declarações feitas por representantes dos EUA e, caso se sinta lesada, tem a intenção de defender os seus direitos de acordo com as normas do direito internacional”, refere em comunicado.

Mike Pompeo acusou a Rússia e Cuba de “intervencionismo” para apoiar o Presidente “ilegítimo” da Venezuela, Nicolás Maduro, e criticou a Rosneft por comprar petróleo à PDVSA “em desafio às sanções dos EUA” e ajudar a garantir a sobrevivência do atual regime venezuelano.

A vice-Presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, anunciou recentemente, após uma reunião com Lavrov em Moscovo, que o escritório da PDVSA em Lisboa foi transferido para a capital russa, com o argumento de que a Europa não garante a defesa dos ativos do país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
243

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)