Vários passageiros de um voo comercial da companhia aérea australiana Virgin Australia ficaram perturbados depois de verem, a bordo do avião, uma reportagem da ABC, televisão pública da Austrália, sobre a queda do avião da Ethiopian Airlines.

De acordo com a edição australiana, do The Guardian, a Virgin Australia tem um contrato com a ABC para a emissão de boletins noticiosos a bordo dos aviões. Porém, o contrato inclui uma cláusula segundo a qual a estação televisiva deve informar a companhia aérea sobre a eventual inclusão de notícias sobre o mundo da aviação, para que a Virgin decida se quer ou não exibir esse conteúdo aos passageiros.

Isto é assim porque as normas genericamente aceites pela indústria da aviação regem-se pelo princípio de que se deve evitar mostrar aos passageiros informações sobre desastres aéreos que possam inquietar ou enervar as pessoas que estão mais desconfortáveis em aviões.

Esta cláusula do contrato foi quebrada neste caso e a companhia aérea está preocupada com os efeitos que a emissão daquele conteúdo teve nos passageiros, depois de a tripulação ter reportado situações de nervosismo a bordo do avião.

Estamos preocupados com relatos de perturbações causadas aos nossos passageiros devido a uma emissão inapropriada durante o nosso boletim noticioso de voo da ABC“, disse um porta-voz da companhia aérea citado pelo The Guardian.

O mesmo porta-voz acrescentou que a Virgin está “em contacto com a ABC” e já foi possível concluir que “isto se deveu a um erro humano” da parte da estação televisiva. “Estamos, naturalmente, a trabalhar com a ABC para assegurar que isto não volta a acontecer”, disse.

Na segunda-feira, a Virgin não recebeu nenhuma informação da parte da ABC sobre a inclusão de uma peça sobre a queda do avião da Ethiopian Airlines que no domingo matou 157 pessoas. Aquela peça foi a abertura do boletim noticioso mostrado aos passageiros.

A estação televisiva explicou ao mesmo jornal que está a tentar identificar a origem do erro uma vez que existem procedimentos implementados para alertar a companhia aérea. Em declarações ao The Guardian, a ABC fez ainda um pedido de desculpas “à Virgin e aos seus passageiros por qualquer perturbação que possa ter sido causada”.