Serviço Nacional de Saúde

Primeiro-ministro e ministra da Saúde inauguraram novo Centro de Saúde do Cadaval

172

O primeiro-ministro e a ministra da Saúde inauguraram o novo Centro de Saúde do Cadaval, esperado há 15 anos pela população e batizado com o nome do 'pai' do Serviço Nacional de Saúde, António Arnaut.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro e a ministra da Saúde inauguraram esta terça-feira o novo Centro de Saúde do Cadaval, esperado há 15 anos pela população e batizado com o nome do ‘pai’ do Serviço Nacional de Saúde, António Arnaut.

O primeiro-ministro, António Costa, frisou, naquele concelho do distrito de Lisboa, que a parceria estabelecida entre município e Ministério da Saúde para a construção das novas instalações “é uma boa prova de que, juntando esforços e dando as mãos, se consegue fazer mais e melhor”.

A obra resulta de um investimento de 700 mil euros, financiados em 15% pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e em 85% por fundos comunitários.

Através de protocolo, assinado em 2016, o Ministério da Saúde transferiu a dotação financeira e a competência de lançar concurso e acompanhar a obra para a Câmara do Cadaval que, por sua vez, cedeu à tutela o terreno para a sua construção por um prazo de 50 anos.

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse que a modernização de instalações “permite ganhos no trabalho dos profissionais e funcionalidade do serviço prestado à população”, ao congregar uma Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados, uma Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados, uma Unidade de Cuidados na Comunidade e uma Unidade de Saúde Pública.

A unidade, composta por sete médicos, nove enfermeiros, cinco assistentes técnicos e um assistente operacional, vai servir 13.200 utentes.

Está dotada de nove gabinetes de consulta médica, três gabinetes de enfermagem, duas salas de tratamento, um gabinete de saúde oral, um ginásio e seis gabinetes de trabalho.

À espera do novo centro de saúde desde 2004, o presidente da câmara, José Bernardo Nunes, disse tratar-se de uma obra prioritária para o concelho, porque não só a unidade funciona num edifício alugado pela Santa Casa da Misericórdia, como também essas instalações “já não correspondem às necessidades e é preciso dar melhores condições” aos utentes e profissionais.

O autarca pediu “pelo menos um médico para acabar com a lista de utentes sem médico de família, para alargar o horário de atendimento e para criar uma Unidade de Saúde Familiar.

O centro de saúde foi prometido pelos vários governos e já teve concurso público lançado e empreitada adjudicada.

Depois do contrato celebrado em 2004, o projeto, orçado na ocasião em 1,6 milhões de euros, foi reformulado, após se constatar que o projeto de arquitetura não se adequava ao terreno.

A reformulação do projeto permitiu reduzir o custo da obra.

O problema da adequação do projeto ao terreno ficou resolvido em 2008, mas, desde essa altura, a ARSLVT esteve a analisar os projetos de especialidades e, até meados de 2015, não tinha autorização para iniciar a empreitada, nem transferiu para o município o dinheiro para a obra.

O protocolo entre tutela e município foi estabelecido em setembro de 2016 e dois meses depois a autarquia lançou o concurso público para a empreitada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

António Costa enganou-se

Bruno Bobone
356

Em nome de preconceitos ideológicos está a pôr-se em causa a qualidade e sustentabilidade do SNS, pois todos os hospitais PPP oferecem um serviço de qualidade, conforme comprovou o próprio Ministério.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)