Rádio Observador

BMW

BMW quer aumentar para 600 número de empregos nos centros tecnológicos este ano

A BMW tem como objetivo ter até "perto de 600" pessoas a trabalhar nos centros tecnológicos Critical TechWorks em Lisboa e no Porto até ao final do ano, divulgou a empresa.

CYRIL ZINGARO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A BMW tem como objetivo ter até “perto de 600” pessoas a trabalhar nos centros tecnológicos Critical TechWorks em Lisboa e no Porto até ao final do ano, divulgou a empresa.

“Por agora temos 320 trabalhadores nas duas localizações e no final do ano queremos acelerar até perto de 600, e além disso no futuro”, disse o diretor de informação da BMW, Klaus Straub, à Lusa, à margem da inauguração dos escritórios da Critical TechWorks, uma parceria entre a BMW e a Critical Software, em Lisboa.

Questionado sobre se pretende investir noutras cidades portuguesas além de Lisboa e Porto, o responsável disse que “no setor tecnológico o desenvolvimento é sempre de um dia a seguir ao outro”, e que a empresa “não planeia para os próximos 10 anos”.

“Queremos desenvolver estas duas localizações [Lisboa e Porto] de uma forma forte, para que exista um trabalho estável por si, e depois veremos”, explicou.

Já Cristoph Grote, vice-presidente da área de eletrónica da BMW, garantiu que a empresa vai “crescer” em Portugal, “com um máximo de pessoas competentes e perfeccionistas”, e que quer ficar no país “a longo prazo”, já que encontrou “muito talento”, “mentalidade”, “personalidade” e “perseverança”.

Durante a cerimónia de inauguração, o presidente da Critical Software, Gonçalo Quadros, disse, sem adiantar valores concretos, que a empresa cresceu 40% em 2018. Em 2017, a empresa registou um lucro de 32 milhões de euros.

Klaus Straub explicou ainda que o centro lisboeta estará em conexão permanente com os do Porto, Munique, África do Sul, Ásia e América.

Por sua vez, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, salientou que o país, na área tecnológica, está “perante uma grande oportunidade que não pode desperdiçar”, pelo facto de a “revolução digital” ser a “primeira revolução industrial que não depende de matérias primas ou localização”.

O grupo BMW detém 51% da CriticalTechWorks, que desenvolve ‘software’ para automóveis, envolvendo, por exemplo, tecnologias de inteligência artificial para carros autónomos.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)