Rádio Observador

Lisboa

Lisboa sobe na lista das cidades com melhor qualidade de vida

A capital portuguesa subiu uma posição na lista de cidades com a melhor qualidade de vida, passando para o 37.º posto, à frente de Madrid e Londres. E é a 31ª mais segura do mundo.

Viena foi considerada a cidade com a melhor qualidade de vida a nível mundial pelo 10.º ano consecutivo

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Lisboa está na 37.ª posição na lista das cidades com melhor qualidade de vida em 2019 e é a 31.ª cidade mais segura do mundo, segundo um estudo anual realizado pela consultora Mercer.

De acordo com a consultora, a capital portuguesa subiu uma posição na lista de cidades com a melhor qualidade de vida, passando agora para o 37.º posto. A capital portuguesa mantém-se, assim, à frente de cidades como Madrid (no 46.º lugar), Barcelona (43.º), Paris (39.º), Londres (41.º) ou Nova Iorque (44º)”.

Relativamente ao ‘ranking’ da segurança, este ano Lisboa encontra-se na 31.ª posição, “subindo 12 lugares relativamente a 2005”, quando se encontrava na 43.ª.

Neste aspeto, Lisboa encontra-se acima de cidades como Dublin (32.ª), Paris (60.ª) ou Barcelona (61.ª)”, salientou a consultora.

À frente da lista com 231 cidades está Viena, com a melhor qualidade de vida a nível mundial pelo 10.º ano consecutivo, seguida por Zurique (2.º lugar) e por Auckland, Munique e Vancouver, que ocupam o 3º lugar ‘ex aequo’.

Auckland é a cidade mais bem classificada da Oceânia, Vancouver a cidade mais bem classificada na América do Norte e Montevideo (78ª) na América do Sul.

Singapura (25ª) e Porto Luís (83ª) são as cidades mais bem classificadas na Ásia e em África, respetivamente.

Bagdade está na última posição, apesar de se terem verificado “melhorias significativas associadas aos serviços de segurança e saúde”. Na lista das cidades com menos qualidade de vida estão Sana (Iémen) e Bangui (República Central Africana).

Este ano, a Mercer apresenta um ‘ranking’ separado sobre segurança pessoal, “que analisa a estabilidade interna das cidades, níveis de criminalidade, aplicação da lei, limitações à liberdade individual, relações com outros países e liberdade de imprensa”.

Nesta lista, a Europa Ocidental domina, com a cidade do Luxemburgo no topo, seguida, em segundo lugar, por Basel e Bern (na Suíça), Helsínquia (Finlândia) e Zurique (Suíça), ‘ex aequo’.

Sana (229), Bangui (230) e Damasco (231) são as cidades mais inseguras, de acordo com esta análise.

O 21.º estudo anual Quality of Living da Mercer mostra que “muitas cidades em todo o mundo ainda oferecem ambientes atrativos para fazer negócios”, sendo “as cidades melhor pontuadas as que perceberam que a qualidade de vida é uma componente essencial no que se refere à atratividade de negócios e à mobilidade de talento”.

No entanto, revela a consultora, “as tensões comerciais e as tendências populistas continuam a dominar o clima político e económico global”.

“A conjugação entre o espectro de uma política monetária restritiva e a volatilidade iminente dos mercados leva a que os negócios internacionais se encontrem mais pressionados do que nunca para garantir que as operações no estrangeiro tenham sucesso”, revelou.

A Mercer faz anualmente uma avaliação de mais de 450 cidades em todo o mundo, incluindo 231 destas cidades neste ‘ranking’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)