Acidentes de Aviação

Piloto do avião que caiu na Etiópia reportou problemas com o sistema de controlo

O piloto "reportou aos controladores de tráfego aéreo que estava ter problemas no controlo do voo", explicou Tewolde GebreMariam, diretor executivo da Ethiopian Airlines.

O Boeing 737 MAX da Ethiopian Airlines despenhou-se no domingo de manhã, poucos minutos depois de ter descolado de Adis Abeba para a capital do Quénia, Nairobi

STR/EPA

Um dos pilotos do Boeing 737 MAX 8 que se despenhou este domingo na Etiópia, matando 157 pessoas, reportou à torre de controlo minutos antes do avião cair que estava a ter problemas no sistema de controlo. A informação foi revelada por Tewolde GebreMariam, diretor executivo da Ethiopian Airlines, numa entrevista ao Wall Street Journal.

O piloto “reportou aos controladores de tráfego aéreo que estava ter problemas no controlo do voo”, explicou Tewolde GebreMariam não revelando, no entanto, mais informações relativas à causa da queda do avião. Depois de reportar esses problemas, o piloto teve autorização para regressar ao aeroporto.

O Boeing 737 MAX da Ethiopian Airlines despenhou-se no domingo de manhã, poucos minutos depois de ter descolado de Adis Abeba para a capital do Quénia, Nairobi. As vítimas são de 35 nacionalidades e pelo menos 21 eram funcionários das Nações Unidas, alguns dos quais iam participar numa cimeira dedicada ao ambiente, em Nairobi.

Este é o segundo acidente com um Boeing 737 MAX 8 em cinco meses. Em 29 de outubro, 189 pessoas morreram na queda de um aparelho idêntico ao largo da Indonésia. A Ethiopian Airlines anunciou ter imobilizado todos os seus Boeing 737 MAX, no que foi seguida por várias outras companhias de aviação em todo o mundo.

Entre as empresas que optaram por suspender os voos do Boeing 737 Max 8 estão a Norwegian, o Icelandair Group, o Tui Group (a maior operadora de turismo do mundo), a Aerolineas Argentinas, a Aeroméxico, a brasileira Gol, a indiana Jet Airways e a marroquina Royal Air Maroc.

Vários países, incluindo os da União Europeia, anunciaram a interdição temporária dos seus espaços aéreos aos modelos 737 da Boeing. O Reino Unido foi o primeiro país europeu a suspender os voos do Boeing 737 MAX 8, seguido pela Alemanha.

As caixas negras recuperadas dos destroços do avião da Ethiopian Airlines, que se despenhou, no domingo, com 157 pessoas a bordo, serão enviadas para a Europa, confirmou esta quarta-feira o porta-voz da companhia. Em declarações à agência de notícias norte-americana Associated Press, um porta-voz da Ethiopian Airlines, Asrat Begashaw, confirmou o envio dos registos de áudio e dados do voo para serem analisados na Europa, mas sem especificar o país de destino.

Outro porta-voz da companhia tinha já indicado que não havia na Etiópia “as capacidades técnicas e a experiência” necessárias e que, por isso, os dispositivos que registam a atividade dos instrumentos do avião, os dados do voo e as conversas dos tripulantes seriam enviados para análise no estrangeiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)