“Temos motivos para encarar as grandes empresas como parceiras estratégicas para tornar a indústria num setor determinante para a transformação estrutural da nossa economia”, referiu o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, na inauguração de uma fábrica cervejeira, que investiu 88 milhões de euros.

O Chefe de Estado falava em Marracuene, arredores de Maputo, esta quarta-feira, na cerimónia de inauguração da fábrica da Heineken, um investimento anunciado após a sua visita à Holanda em maio de 2017.

O empreendimento “é só uma pequena amostra dos esforços que o Governo tem estado a fazer para atrair novos investimentos, com potencial para induzir o desenvolvimento da nossa economia”, acrescentou, detalhando que o trabalho passa pela “diplomacia económica” e pela “revisão do pacote legislativo”.

A fábrica, que vai produzir 800 mil litros de cerveja por ano de cinco marcas, apresenta-se como um empreendimento com a mais recente tecnologia do setor.

A direção da fábrica explicou que vai usar matéria-prima local, nomeadamente malte e cevada, apontando que a cerveja Txilar que já está ali a ser produzida é feita com milho cultivado na província central de Manica.

A unidade demorou 12 meses a ser construída e dá emprego a cerca de 200 pessoas, quase todas moçambicanas.