Estados Unidos da América

Beto O’Rourke, estrela do partido democrata, é candidato às eleições nos EUA

Antigo congressista que em pouco tempo se tornou uma estrela em ascensão no partido democrata confirmou, na quinta-feira, a candidatura às próximas eleições, em 2020.

Getty Images for SXSW

Beto O’Rourke, um antigo congressista que em pouco tempo se tornou uma estrela em ascensão no partido democrata confirmou, na quinta-feira, a candidatura às próximas eleições, em 2020. “Este é um momento da verdade para o nosso país e para cada um de nós”, afirmou o político, com 46 anos, que nos últimos anos se tornou uma das principais promessas do partido, incluindo sendo o protagonista de um documentário feito pela HBO.

O carismático líder tentou, sem sucesso, desafiar o republicano Ted Cruz durante as eleições intercalares do ano passado. Apesar da derrota, por pouco, O’Rourke mostrou grande capacidade de mobilização de apoios (e fundos) e, desde logo, foi visto como um possível candidato presidencial, cuja mensagem carismática e positiva levou a comparações com Barack Obama.

“Os desafios que enfrentamos neste momento, as crises interligadas na nossa economia, a nossa democracia e o nosso clima nunca foram mais prementes”, afirmou O’Rourke, acrescentando que estes desafios “podem consumir-nos mas podem, também, proporcionar-nos a maior oportunidade para despoletar a genialidade dos Estados Unidos da América”.

A campanha vai arrancar no final do mês num comício em El Paso, Texas. Será o início de um processo em que o candidato irá procurar distinguir-se da dúzia de outros candidatos que já anunciaram que irão concorrer à nomeação democrata para as eleições.

“Quero uma campanha positiva que procurará fazer sobressair o melhor que há em cada um de nós, que procure unir um país que está muito dividido”, afirmou Beto O’Rourke no vídeo de lançamento da candidatura.

Depois de três mandatos cumpridos no congresso norte-americano, O’Rourke deu provas de capacidade de mobilização ao quebrar todos os recordes de angariação de fundos durante a campanha que procurava “roubar” o lugar de Ted Cruz. Apesar de ter perdido essa corrida por três pontos percentuais, O’Rourke obteve 80 milhões de dólares nesse processo.

Numa entrevista à CNN, Beto O’Rourke sublinhou a prioridade que atribui às questões climáticas — esse é o “desafio mais urgente e existencial” de todos. “Os cientistas, sem qualquer dúvida, sabem que temos um máximo de 12 anos para fazer grandes mudanças para responder a essa ameaça e reduzir as consequências de decisões que tomámos no passado — consequências para os nossos filhos e para as gerações seguintes”.

Além disso, o candidato democrata adiantou que quer “reescrever” as leis relacionadas com a imigração para “refletir aquilo que são os nossos valores e aquilo que sabemos ser a verdade, com base nos factos”. No país idealizado por O’Rourke, “toda a gente deve ter a possibilidade de ser consultado por um médico” e “todos têm direito de cumprir o seu potencial”, incluindo “encontrar o emprego que ainda não conseguiram… Há tantas pessoas que têm dois e três empregos e mesmo assim têm dificuldades em sobreviver”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)