Rádio Observador

Associação Mutualista

Marcelo promulga lei que prevê que seja a ASF a avaliar idoneidade de Tomás Correia

O Presidente da República promulgou esta quinta-feira o diploma aprovado esta tarde em Conselho de Ministros que estipula que idoneidade de Tomás Correia deve ser avaliada pela ASF.

JOÃO RELVAS/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa já promulgou o diploma relativo ao regime transitório de supervisão das associações mutualistas. O anúncio foi feito na página oficial da Presidência da República. Numa curta nota pode ler-se que “considerando essencial o aditamento efetuado, o Presidente da República promulgou hoje o diploma do Governo que clarifica o regime transitório de supervisão das associações mutualistas”.

A promulgação foi feita esta quinta-feira, no mesmo dia em que o diploma foi aprovado em Conselho de Ministros. O diploma do Governo pretende acabar com a polémica sobre quem deve avaliar a idoneidade de Tomás Correia, o líder da maior mutualista do país, o Montepio. Segundo o documento, a idoneidade deve ser avaliada pela autoridade dos seguros, a ASF.

O presidente da ASF, José Almaça, tem afirmado que, segundo os termos da lei, a avaliação da idoneidade dos líderes das associações mutualistas não faz parte das suas competências. Com esta norma, o assunto fica esclarecido e é mesmo a autoridade dos seguros quem fica responsável por avaliar a idoneidade de Tomás Correia.

Esta norma interpretativa põe assim um ponto final num imbróglio que se vinha arrastando nos últimos tempos. Até agora, a a interpretação da legislação existia permitia que o presidente da ASF evitasse avaliar a idoneidade do líder da Associação Mutualista Montepio, escudando-se na ideia de que só no fim de um período transitório de 12 anos é que a ASF poderia ter total supervisão sobre a mutualista.

José Almaça já tinha feito saber que se a ASF acabasse por ser indicada como a supervisora da idoneidade de Tomás Correia iria fazer essa avaliação com base no regime das seguradoras. Isto se a decisão ainda passasse por ele, já que a atual administração, composta por José Almaça, Nazaré Barroso e Filipe Serrano está em gestão há um ano e meio e vai mudar em breve. O Governo já indicou os dois nomes que vão passar a liderar a autoridade das seguradoras: Margarida Corrêa de Aguiar será a presidente e o ex-ministro Manuel Caldeira Cabral vai desempenhar o cargo de administrador.

Já no início desta semana, o presidente da ASF tinha afirmado que, segundo o seu entender, devia ser o Governo o responsável por “avaliar a idoneidade de Tomás Correia”. Aos deputados da comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, José Almaça tentou empurrar para o Executivo – mais concretamente para o Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva – a responsabilidade de supervisão. “Não somos nós que temos que avaliar a idoneidade de Tomás Correia. Terá de ser a tutela, terá de ser o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, não eu. É competência da tutela, não minha”, disse na terça-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)