Rádio Observador

Liga Europa

Pizzi, o maestro que não teve voz mas pôs a orquestra a tocar (a crónica do Benfica-Dínamo Zagreb)

536

Pizzi não marcou mas foi o melhor de um Benfica que foi apagado na primeira parte, melhor na segunda e eficaz no prolongamento. Lage falhou nas apostas e acertou nos pedidos. Crónica do Benfica-Dínamo

Pizzi assistiu Jonas para o golo que empatou a eliminatória

EPA

A antevisão da segunda mão da eliminatória disputada entre o Benfica e o Dínamo Zagreb foi feita com uma animosidade pouco comum entre os dois treinadores: principalmente se tivermos em conta que este era um jogo das competições europeias, onde os técnicos de parte a parte são normalmente cordiais, humildes e modestos q.b. Desta vez, e face à (algo) surpreendente derrota do Benfica na primeira mão jogada em Zagreb, o treinador do Dínamo defendeu que o Benfica “subestimou” o adversário e até defendeu que a imprensa portuguesa “raramente escreveu” sobre os croatas. Bruno Lage apressou-se a responder e garantiu que, “ao contrário daquilo que o treinador do Dínamo pensa”, o Benfica conhece ao detalhe todos os adversários. O pontapé de saída para o jogo desta quinta-feira foi dado, portanto, com o pé em riste.

Subestimando ou não o adversário, a verdade é que Bruno Lage optou novamente por poupar na Liga Europa alguns dos habituais titulares nos compromissos internos. João Félix começou no banco de suplentes, Samaris também saiu do onze inicial e Grimaldo foi poupado; Jota foi promovido ao onze, Fejsa passou de lesionado a convocado e de convocado a titular, o jovem Yuri Ribeiro assumiu a esquerda da defesa e Zivkovic foi chamado ao onze para ocupar o lugar que costuma ser de Rafa, já que o internacional português subiu no terreno para jogar ao lado de Jota, face à ausência de Seferovic. Do outro lado, Bjelica não tinha o lateral Leovac e o médio Šunjić (ambos suspensos por acumulação de amarelos) e atacava com os mesmos quatro que na passada quinta-feira surpreenderam a defesa encarnada: Dani Olmo, Kadzior, Petkovic e Orsic.

Ficha de jogo

Benfica-Dínamo Zagreb, 3-0 (após prolongamento)

Segunda mão dos oitavos de final da Liga Europa

Estádio da Luz, em Lisboa

Árbitro: Deniz Aytekin (Alemanha)

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Yuri (Grimaldo, 45′), Pizzi (Gedson, 119′), Fejsa, Gabriel, Zivkovic (Jonas, 45′), Jota (João Félix, 62′) e Rafa

Suplentes não utilizados: Svilar, Cervi, Samaris,

Treinador: Bruno Lage

Dínamo Zagreb: Livakovic, Stojanovic, Téophile-Catherine, Dilaver, Rrahmani, Gojak (Atiemwen, 97′), Moro, Olmo, Kadzior (Situm, 75′), Petkovic (Gavranovic, 86′) e Orsic (Peric, 109′)

Suplentes não utilizados: Zagorac, Majer, Leskovic

Treinador: Nenad Bjelica

Golos: Jonas (72′), Ferro (96′), Grimaldo (105′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Moro (14′), Petkovic (45′), Jonas (66′), João Félix (75′), Grimaldo (90′), Stojanovic (104′ e 104′), Téophile-Catherine (110′), Gabriel (114′); cartão vermelho por acumulação a Stojanovic (104′)

Na Luz, o Benfica realizou cinco minutos iguais à primeira meia-hora do jogo da primeira mão: com dinâmica, velocidade, pressão muito elevada e Zivkovic e Pizzi a tentar procurar terrenos interiores e a solicitar as subidas de André Almeida e Yuri Ribeiro nos respetivos corredores. Essa fase, porém, durou cinco minutos e não se materializou em qualquer oportunidade de golo. O avançar dos minutos e a incapacidade de colocar a bola entre as linhas croatas foi alimentando a crescente frustração dos encarnados, que recuaram no terreno e perderam rendimento. Lage pedia a Ferro e Rúben Dias que subissem no relvado e jogassem mais perto da linha de meio-campo, de forma a funcionarem enquanto base da pirâmide que tinha como vértice a baliza do Dínamo, mas a dupla de centrais esteve durante a esmagadora maioria da primeira parte demasiado encostada à meia lua da área de Vlachodimos.

Ao passar dos primeiros dez minutos, era já o Dínamo Zagreb o dono do ascendente da partida, com Dani Olmo a manter o papel de criativo que já havia desempenhado em Zagreb. Apesar da ausência de ocasiões de golo, a verdade é que o jogo estava partido e sem grande luta tática no meio-campo, com a equipa croata a aproveitar os espaços sem supervisão encarnada para procurar a profundidade e lançar contra-ataques apoiados e de transição rápida. Do outro lado, Yuri Ribeiro não estava a aproveitar a oportunidade — aos 15 minutos, levava quatro perdas de bola e dois duelos perdidos em dois disputados –, Jota estava pouco entrosado com os médios a jogar nas costas, Zivkovic teve apenas uma ação ofensiva e o melhor elemento era mesmo Pizzi, o principal desequilibrador e o único que descobria linhas de passe nos últimos 30 metros.

O Benfica ainda conseguiu recuperar algum do ímpeto dos primeiros cinco minutos nos últimos dez da primeira parte, com tentativas de Pizzi (38′) e Rafa (42′) que obrigaram Livakovic a duas defesas apertadas, mas as principais jogadas de perigo surgiram de lances individuais e rasgos únicos, tornando-se evidente a falta de ligação entre os setores. Ainda assim, quando o alemão Deniz Aytekin apitou para o intervalo, o Benfica atravessava um dos melhores períodos do encontro e descia ao balneário com a sensação de que quando uma bola entrasse, entrariam mais. Mas era preciso entrar a primeira.

Face aos números, que diziam que o Benfica rematou cinco vezes durante a primeira parte, mas só acertou na baliza em duas ocasiões, Bruno Lage percebeu que era necessário colocar em campo uma verdadeira referência ofensiva. No arranque da segunda parte, o treinador encarnado lançou Jonas e sacrificou Zivkovic e ainda tirou Yuri Ribeiro, o claro elemento menos do Benfica durante os primeiros 45 minutos, para fazer entrar o mais ofensivo Grimaldo. Com a entrada de Jonas, Rafa abriu na ala e começou a ocupar terrenos que lhe são mais familiares, enquanto que Jota permaneceu enquanto peão mais móvel na frente de ataque.

O Dínamo Zagreb assumiu desde o início da segunda parte que não iria procurar o golo nem as transições defesa-ataque, colocando quase sempre os 11 jogadores atrás da linha da bola e desistindo da pressão alta. O Benfica respondeu e Ferro e Rúben Dias repetiram o que era pedido por Bruno Lage, centrando a primeira linha de ataque no eixo da defesa, enquanto que Rafa se tornou muito mais perigoso partindo da ala e não do corredor central, como tinha acontecido durante toda a primeira parte. Pizzi continuava a ser o grande inconformado dos encarnados e Jota não correspondia às solicitações dos colegas, acabando por ser substituído sem ter tentado qualquer passe vertical. À passagem do minuto 62 e face à manutenção do nulo que ditava à eliminação da Liga Europa, Lage não resistiu à alteração que a Luz pedia: João Félix entrou e Jota, o segundo da noite depois de Yuri Ribeiro que deixou fugir uma oportunidade importante, saiu.

A entrada de João Félix, ainda que não tenha tido consequências práticas de maior, adicionou um elemento muito móvel à toada ofensiva do Benfica, permitindo a Jonas andar pelos terrenos que privilegia, mais perto da baliza adversária. Essa integração do avançado na zona da pequena área, porém, era frequentemente invertida numa troca de posições entre Jonas e Pizzi ou Jonas e Rafa, com os alas a arrastar consigo defesas adversários para soltar o brasileiro. Foi assim que o Benfica acabou por chegar ao golo que empatou a eliminatória. Ferro subiu no terreno e descobriu Pizzi em desmarcação no interior da área; o internacional português cabeceou e assistiu Jonas, que rematou de primeira e bateu Livakovic. Grande golo do avançado brasileiro, que é já o segundo melhor marcador dos encarnados nas competições europeias (atrás de Seferovic).

Até ao final dos 90 minutos, o Benfica não voltou a dispor de uma verdadeira ocasião de golo — sublinhe-se apenas um remate perigoso de Jonas que obrigou Livakovic ao voo mais fotográfico da noite — e foi mesmo o Dínamo Zagreb a ficar perto do empate que ditaria o apuramento dos croatas para os quartos de final, com Vlachodimos a redimir-se do erro da passada segunda-feira frente ao Belenenses SAD ao evitar um desvio ao segundo poste. Na ida para o prolongamento, o Benfica estava melhor fisicamente — os jogadores do Dínamo mostraram muito desgaste nos instantes finais dos 90 minutos –, mas fraquejava quando os croatas entravam nos últimos 30 metros.

O prolongamento começou animado, com situações de perigo junto das duas balizas, mas o Benfica só precisou de quatro minutos para dar razão a Bruno Lage. Desde os instantes iniciais que o treinador encarnado pedia a Ferro e a Rúben Dias que progredissem no terreno, com bola ou sem ela, e fossem ou a base do ataque ou a solução de linha de passe. Quando, ao passar do minuto 94, Ferro surgiu quase à entrada da grande área a recuperar uma bola, estava a cumprir ordens de Bruno Lage. Ordens essas que culminaram num grande remate do jovem central que só parou no fundo das redes da baliza de Livakovic e deu (finalmente) a vantagem encarnada na eliminatória.

O golo de Ferro motivou a alteração total do jogo, com o Dínamo Zagreb a ver-se obrigado, pela primeira vez, a ir à procura do golo e do resultado. Os croatas estiveram perto de marcar logo no minuto seguinte, com um falhanço clamoroso de Osijek, mas não mais voltaram a criar verdadeiro perigo. Stojanovic viu dois cartões amarelos seguidos por protestos e o Dínamo ficou reduzido a dez unidades a um minuto do final da primeira parte do prolongamento. Até que Grimaldo decidiu acabar com (quase todas) as dúvidas e descansar as mais de 47 mil pessoas que esta quinta-feira estavam nas bancadas da Luz. O lateral espanhol soltou uma bomba de pé esquerdo do meio da rua e o guarda-redes croata ficou pregado ao chão a ver o terceiro golo dos encarnados entrar na baliza.

O Benfica segurou a vantagem na segunda parte do prolongamento e até esteve perto de fazer o quarto golo, por intermédio de Pizzi. Os encarnados voltaram às vitórias depois de dois jogos sem vencer e carimbaram o apuramento para os quartos de final da Liga Europa, onde não vão poder contar com Jonas devido a acumulação de amarelos. Bruno Lage falhou nas apostas — Yuri Ribeiro e Jota não corresponderam à chamada — mas acertou nos pedidos: pediu envolvimento de Jonas e o brasileiro marcou; pediu a subida dos centrais e Ferro marcou; pediu o preenchimento do corredor aos laterais e Grimaldo marcou. Ainda assim, o destaque vai para o maestro sem golo que soube ligar mais novos, mais velhos, avançados, médios, portugueses, espanhóis e brasileiros — Pizzi, que saiu nos instantes finais do prolongamento debaixo de uma ovação, foi o melhor jogador do Benfica contra o Dínamo Zagreb e carrega nas pernas o cansaço de ter garantido em larga escala o apuramento para a fase seguinte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)