Acidentes e Desastres

A mensagem do capitão do Boeing Max 737 da Ethiopian Airlines antes da queda

161

Um minuto depois de descolar o capitão disse "com voz calma" que havia um problema. Três minutos depois, pediu para voltar para trás. Passados 5 minutos perderam-se todos os contactos com o avião.

Destroços do voo 302 da Ethiopian Airlines que caiu e vitimou 157 pessoas

STR/EPA

O piloto do voo da Ethiopian Airlines que caiu no passado dia vitimando 157 pessoas, comunicou uma emergência três minutos depois da descolagem, segundo o New York Times (acesso condicionado).

Break break, request back to home”, foi a mensagem, em inglês, enviada pelo piloto, que pede autorização para voltar ao aeroporto de Adis Abeba, capital da Etiópia.

Os controladores dos voos verificaram também que o Boeing 737 Max 8 estava com uma trajetória oscilante de centenas de metros, um sinal de que algo estaria errado. Perderam-se todos os contactos com o avião cinco minutos depois de ter descolado, segundo o que contou uma fonte ao jornal. As comunicações não foram divulgadas e a fonte anónima do Times refere que os controladores reconheceram a emergência antes da mensagem do piloto.

As mensagens trocadas entre o piloto e a torre de controlo aéreo evidenciaram novos detalhes sobre os minutos finais do acidente e as autoridades americanas e canadianas já estão a investigar as trajetórias dos voos deste e de outro acidente do ano passado. Apesar disto, ainda é admitida a possibilidade de os acidentes se terem dado por razões diferentes.

Novos dados apontam para a velocidade que o avião tomou momentos depois da descolagem. Ao New York Times, um consultor de segurança aeronáutica considerou que a velocidade foi a “coisa mais anormal” que verificou, já que era “muito alta”. “O avião acelerou muito mais rápido do que devia”, disse John Cox.

Responsáveis da Ethiopian Airlines disseram que a tripulação do voo 302 reportou problemas no tráfego aéreo momentos antes de se perder o contacto. Passado um minuto da descolagem, o capitão comunicou o problema “numa voz calma”. Nessa altura o radar mostrava que a altitude do avião era bem mais baixa do que o suposto. Nos dois minutos seguintes, a fonte do jornal referiu que o avião subiu para uma altitude mais segura, mas depois deram-se as tais oscilações repentinas, fazendo com que os controladores aéreos se perguntassem o que estava a acontecer.

Outros dois voos estavam a aproximar-se e, sentindo uma potencial emergência, os controladores aéreos pediram para que subissem. Foi nessa altura que o piloto do voo 302, em pânico, terá pedido para voltar para trás. Com a devida autorização dos controladores aéreos, o avião virou à direita e subiu em altitude tendo desaparecido do radar no minuto seguinte.

As semelhanças entre o acidente da Etiópia e o do voo da Indonesia Lion Air no mar de Java continuam a ser investigadas. Foi o segundo acidente em cinco meses com o mesmo modelo de avião: o Boeing 737 Max, entretanto retirado do ar por dezenas de companhias aéreas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)