A Nova Zelândia tem um novo herói. Daoud Nabi tem 71 anos e deu a vida para salvar outras pessoas quando um terrorista atacou uma mesquita em Christchurch. O homem meteu-se à frente de outro crente e acabou por ser morto a tiro, noticia o New York Post.

A família de Daoud Nabi conta a história do herói, que recebeu refugiados no aeroporto depois de emigrar para a Nova Zelândia nos anos 80, vindo do Afeganistão. O seu filho Omar Nabi sabia que o pai tinha tentado proteger outra pessoa do assassino, mas não tinha mais informações sobre a tragédia. Quando ouvi falar do tiroteio, o homem de 43 anos foi de imediato para a Mesquita e ligou para o pai, mas não teve resposta. Ao saber da morte do pai, ficou em estado de choque e disse que Daoud era “um homem de muito conhecimento”.

A foto, tirado do Facebook de Daoud Nabi, mostra o homem quando era jovem.

Omar relembra o tempo em que o pai ajudou pessoas fugidas da Palestina, do Iraque, ou da Síria a começar um nova vida. “Ele ajudou todos os refugiados”e foi o “primeiro a dar-lhes a mão”, disse o mecânico de 43 anos. Já na Nova Zelândia, Daoud Nabi fundou uma mesquista e tornou-se presidente de uma associação afegã local. Daoud era avô de nove crianças.

No ataque que aconteceu esta sexta-feira, morreram pelo menos 49 pessoas e ficaram 48 feridas (20 em estado grave). O ataque dirigiu-se a duas mesquitas diferentes. Há quatro pessoas detidas, três homens e duas mulheres. O momento dos disparos foi transmito em direto através do Facebook de um dos atiradores, mas a conta acabou por ser apagada. Jacinte Ardern, primeira ministra do país, diz que este foi “um dos dias mais negros da Nova Zelândia e disse que as motivações do ataque terrorista eram racismo associao a movimentos de supremacia branco. “Um ato de violência sem precedentes que não tem lugar na Nova Zelândia”, rematou Arden.