EDP

Embaixador norte-americano declara que China não controlará ativos da EDP nos EUA

Em causa está a OPA feita à EDP pela China Three Gorges (CTG). George Glass diz que não deve haver uma "entidade estrangeira" a deter a "energia elétrica".

TIAGO PETINGA/LUSA

O embaixador dos Estados Unidos em Portugal, George Glass, disse que a China não vai controlar “em nenhuma circunstância” os ativos que a EDP tem nos Estados Unidos, opondo-se à OPA da China Three Gorges. “Em nenhuma circunstância os chineses vão controlar o que a EDP tem nos Estados Unidos, o terceiro maior produtor de energia renovável”, afirmou o embaixador norte-americano em Lisboa, em entrevista publicada esta sexta-feira no Jornal Económico.

Em causa está a Oferta Pública de Aquisição (OPA) feita à EDP pela China Three Gorges (CTG), empresa elétrica estatal chinesa que já detém 23,27% da elétrica portuguesa, anunciada em maio de 2018 e cujas negociações continuam.”Opomo-nos absolutamente a esse negócio”, garantiu George Glass. O embaixador acrescentou ainda que, em situações idênticas, as autoridades norte-americanas vetaram o negócio. “O que posso dizer é que quando situações idênticas ocorreram no passado, a essas entidades não lhes foi permitido concluir o negócio”, esclareceu George Glass.

George Glass considerou ainda uma questão de segurança nacional para os Estados Unidos observar as negociações da OPA, e assegurou que o país está a fazê-lo. “Temos que ver como correm as negociações. Não me parece que estejam a ir muito longe – estamos curiosos para ver o que vai acontecer. De qualquer modo é o Departamento do Tesouro que vai decidir o que fazer”, disse o embaixador. O representante máximo da diplomacia norte-americana em Portugal confirmou ainda que o Comité para os Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS) “tem o poder para impor” a venda de interesses da EDP nos Estados Unidos, caso a OPA da China Three Gorges se efetive.

O embaixador manifestou-se ainda contra o atual panorama do mercado energético português.”A EDP controla 80% da energia elétrica em Portugal. Do ponto de vista dos Estados Unidos, do ponto de vista de negócios, como do meu ponto de vista pessoal, não deve haver uma entidade estrangeira a deter a vossa energia elétrica. Deve ser controlada pela nação ou pelos privados sob regulação nacional. Não é o caso do que está a acontecer com a EDP”, considerou George Glass. Contactada pela Lusa, fonte da EDP escusou-se a comentar as declarações do embaixador dos Estados Unidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)