França

Macron apela aos líderes mundiais para que passem à ação nas questões do clima

Para Macron ter-se-á de encontrar um pacto "que seja uma declaração não apenas de palavra, mas um compromisso sério, com prazos para cumprir", numa ação conjunta e com "solução concreta".

O presidente francês foi criticado por várias organizações ecologistas do seu país, que o acusam de não cumprir os acordos de combate às alterações climáticas

Thibault Camus / POOL/EPA

O apelo do presidente francês, Emmanuel Macron, aos líderes mundiais para que assinem um pacto de defesa ambiental, que não seja “só palavras”, dominou esta quinta-feira as atenções da IV Assembleia da Organização das nações Unidas para o Ambiente.

Ao discursar no plenário desta reunião, designada UNEA-4, que decorre em Nairobi, Macron instou todos os dirigentes do planeta a assinar um acordo para o ambiente, para “passar à ação, uma ação em que devem estar todos, governantes, sociedade civil, empresários e organizações não-governamentais”.

No seu discurso, feito numa sala cheia do complexo da ONU, no bairro de Gigiri, no norte da capital do Quénia, Macron realçou: “Não podemos ficar por acordos de palavras. Temos de agir“.

E insistiu: “Não podemos dizer que a nossa geração não sabia as consequências da destruição da natureza, da biodiversidade e dos ecossistemas”.

Na sua opinião, ter-se-á de encontrar “um pacto que cumpra juridicamente, que seja uma declaração não apenas de palavra, mas um compromisso sério, com prazos para cumprir, porque a biosfera e a humanidade não podem esperar”.

Macron reforçou a sua posição, dizendo: “Temos os relatórios científicos e sabemos o que está a acontecer, mobilizámo-nos, mas não estamos a fazer o suficiente, temos de passar à ação”.

O presidente francês foi criticado esta quinta-feira por várias organizações ecologistas do seu país, que o acusam de não cumprir os acordos de combate às alterações climáticas.

“Temos de definir o trabalho e completá-lo para realizar a mobilização”, sustentou de forma enérgica, garantindo que “não se deve baixar a guarda na redução de emissões”, mas encontrar “soluções concretas” com a mobilização de todos os setores sociais e apresentar resultados na próxima conferência da ONU sobre as alterações climáticas, a COP 25, que se realiza no Chile, no final do ano.

“Bem-vindos à limpeza geral”, afirmou o presidente francês, que exigiu “a implicação de todos para reduzir emissões e conseguir uma transformação geral, com financiamento geral e massivo”.

A França vai acolher este ano a cimeira do grupo das sete economias mais industrializadas, o designado G-7, em que se vão definir ações para o financiamento da luta contras as alterações climáticas, “com medidas concretas e eficazes”, adiantou Macron.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)