Eleições

PSD e PS disponíveis para alterar lei que proíbe autarcas de publicitarem obras

127

Os dois partidos com mais representação autárquica estão disponíveis para alterar lei que proíbe os autarcas de publicitarem obras durante período de campanhas eleitorais.

Negrão diz que "tudo o que seja para esclarecer o espírito da lei é positivo"

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O PSD está disponível a juntar-se ao PS para alterar a lei que proíbe as entidades públicas de fazerem publicidade institucional durante o período de pré-campanha ou campanha de qualquer eleição, segundo avança o Jornal de Notícias (sem link). Uma nota informativa a alertar para esta disposição na lei levou a uma guerra entre autarcas e a Comissão Nacional de Eleições (CNE), pois consideram que não faz sentido não fazerem publicidade institucional (o que pode incluir, por exemplo, o anúncio de obras) antes de eleições europeias como acontece neste momento.

O PS já tem um projeto concluído sobre essa matéria e o líder parlamentar, Carlos César, diz que o mesmo está pronto para apresentar aos outros partidos. O PSD, tal como Bloco e PCP, tinha-se manifestado contra alterações na lei em vésperas de Europeias, mas o líder parlamentar social-democrata faz esta sexta-feira declarações ao Jornal de Notícias em sentido contrário. Fernando Negrão, citado pelo diário, diz que “tudo o que seja para esclarecer o espírito da lei é positivo.” O presidente da bancada do PSD junta-se ao PS nas críticas à CNE ao dizer que a comissão “devia ter tido uma posição muito mais clara.”

O presidente da maior autarquia do país, Fernando Medina, foi dos que protestou com mais estrondo. O líder da câmara municipal de Lisboa considerou que a interpretação que a CNE faz da lei é uma “aberração” que representa uma “menorização grotesca dos cidadãos”. Medina pediu ainda ao Parlamento que agisse perante esta situação.

Esta quinta-feira, António Costa também comentou o assunto para dizer que não se sente mal com a nota da Comissão Nacional de Eleições, porque não fez “qualquer confusão sobre o que é publicidade institucional.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Um país “grátis”

Diogo Prates
265

A feira de promessas em que está a tornar-se a pré-campanha eleitoral não só coloca em risco os sacrifícios que foram feitos no passado mas, mais grave, põe em causa o principio básico da igualdade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)