Rádio Observador

PSP

Presidente de sindicato da PSP em greve de fome hospitalizado no São Francisco Xavier

477

Peixoto Rodrigues estava em greve de fome desde terça-feira e foi levado para o hospital São Francisco Xavier durante a madrugada deste sábado "dada a evolução da sua debilidade física".

O presidente do Sindicato Unificado da PSP (à direita) estava em greve "por tempo indeterminado", desde terça-feira

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O presidente do Sindicato Unificado da PSP, Ernesto Peixoto Rodrigues, foi hospitalizado na madrugada deste sábado — ao quinto dia de uma greve de fome que iniciou na passada terça-feira –, anunciou a Federação Nacional dos Sindicatos de Polícia (FENPOL) no Facebook e confirmou o Observador junto do presidente, Pedro Magrinho. “Informamos que o colega Peixoto Rodrigues foi evacuado pelo INEM para unidade hospitalar há momentos, dada a evolução da sua debilidade física”, lê-se na publicação da FENPOL.

Foi Pedro Magrinho, aliás, que chamou a ambulância por volta da 1h00 da madrugada, quando notou que Peixoto Rodrigues “reunia um conjunto de situações físicas que motivavam preocupação”, embora este tivesse resistido à ideia de ser hospitalizado. Segundo o presidente da FENPOL, além de não comer desde terça-feira, Peixoto Rodrigues “não estava a tomar a medicação que toma habitualmente”, por opção sua.

Uma ambulância do INEM deslocou-se ao local e o presidente do Sindicato Unificado da PSP acabou por ser transportado de ambulância para o hospital São Francisco Xavier. Lá realizou “vários exames e teve alta ao princípio da manhã“. Agora, terá de permanecer em “repouso absoluto por um período de oito dias“, disse ainda Pedro Magrinho ao Observador.

Outros dirigentes acabaram por impor que Ernesto Peixoto terminasse a greve de fome, tendo inclusive levado todos os objetos que este tinha deixado num banco nos jardins em frente à frente do Palácio de Belém.

Ele sente que não conseguiu vencer esta luta, como sentem todos os polícias. Mas não vale a pena sacrificar a sua integridade física” disse Pedro Magrinho ao Observador

Ernesto Peixoto termina assim, contra a sua vontade, uma greve de fome que durava desde terça-feira. Pedro Magrinho lamenta que o seu colega não tenha recebido visitas ou mensagens de apoio oficiais por membros do Governo. “Fez de conta que nada se passa. Houve algumas palavras de apreço direcionadas a título individual. Mas oficialmente não houve”, disse, adiantando: “Houve uma visita no local de deputados do CDS, do André Ventura, mas oficialmente, de partidos políticos, não”.

Os polícias prometem, no entanto, “outras formas de manifestação”. Para começar, uma ida ao Parlamento Europeu que será preparada na próxima semana e que terá em conta o estado de saúde do presidente do Sindicato Unificado da PSP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)