Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Bruno Lage chegou ao comando técnico da equipa principal do Benfica logo nos primeiros dias de janeiro, depois de os encarnados, ainda sob a orientação de Rui Vitória, perderem por 2-0 com o Portimonense. Desde aí, mais do que vitórias, o Benfica somou objetivos cumpridos. O objetivo de chegar ao topo da classificação, o objetivo de chegar o mais longe possível nas competições europeias, o objetivo de estar em três frentes no final de março.

Este domingo, no terreno do Moreirense, o Benfica voltou a golear, recuperou o sabor da vitória depois da escorregadela frente ao Belenenses SAD e segurou a liderança da Primeira Liga mesmo sob pressão do FC Porto. Com o 0-4 imposto à equipa de Moreira de Cónegos, Bruno Lage somou a quinta goleada em apenas 48 dias, menos de dois meses: Boavista (5-1), Nacional (10-0), Desp. Aves (0-3), Desp. Chaves (4-0) e Moreirense (0-4). Com o treinador português, os encarnados assumiram o papel de melhor ataque da Liga e levam 10 vitórias em 11 jogos e 39 golos marcados contra apenas oito sofridos.

Contra o Moreirense, o Benfica conseguiu ainda um feito assinalável e que é cada vez mais recorrente: marcou quatro golos por intermédio de quatro jogadores diferentes e acrescentou números aos já gordos registos de Rafa e João Félix, deu o segundo golo consecutivo a Samaris e ainda ofereceu a estreia a marcar ao jovem Florentino Luís. Félix já é o quarto jogador mais novo jogador do Benfica a chegar aos 10 golos na Liga e Rafa leva cinco golos nas últimas seis jornadas: factos que não vivem sem as 14 assistências de Pizzi, recordista no Campeonato português.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Benfica somou a sexta vitória consecutiva em jogos fora para a Primeira Liga (pela quinta vez no século XXI), todas desde que Bruno Lage substituiu Rui Vitória, e pode agora perseguir um recorde que dura desde 2015/16: nessa temporada, o Benfica chegou aos onze resultados positivos seguidos em jogos fora. Na conferência de imprensa já depois do final do jogo, o treinador encarnado garantiu que a equipa fez aquilo que ele próprio havia idealizado na antevisão. “Tínhamos de fazer um grande jogo, estar no nosso melhor e foi isso que aconteceu. Jogámos contra uma grande equipa, que nos criou vários problemas que nós soubemos contornar. Tivemos de correr riscos pelo resultado. Fizemos uma primeira parte boa e uma segunda ainda melhor. Marcámos quatro golos e saio satisfeito. Foi o que prometemos: estar no nosso melhor, frescos fisicamente e com mentalidade vencedora. Só assim é que podíamos vencer a equipa que considero ser a sensação do Campeonato”, explicou Lage.

Samaris e a nova vida de um grego que já agrada a troianos (a crónica do Moreirense-Benfica)

Sobre a saída de Fejsa da convocatória depois de ter sido titular frente ao Dínamo Zagreb e os problemas físicos demonstrados por Gabriel ao longo do jogo, o treinador defendeu que “são coisas pontuais que vão acontecendo”. “Temos de ter esse cuidado, mas é o preço do sucesso o facto de jogarmos de três em três dias. Mais importante de tudo foi a resposta, com uma frescura e qualidade enormes. Estou satisfeito por isso”, acrescentou Bruno Lage, que além de voltar a sublinhar a importância do treino naquilo que é o trabalho de preparação do Benfica reconheceu ainda que a equipa está “com uma dinâmica muito boa” que terá de continuar depois da paragem do próximo fim de semana para os compromissos das seleções.