O treinador Rui Águas reconheceu esta segunda-feira que Cabo Verde “podia ter feito melhor” no apuramento para a Taça das Nações Africanas (CAN2019) de futebol, mas ainda tem esperanças de marcar presença na maior prova de seleções daquele continente.

“Se calhar podíamos ter feito um ou dois pontos mais, mas a realidade é esta: Lesoto para bater e esperar que o outro jogo corra bem”, disse o selecionador, em conferência de imprensa antes do início dos treinos de Cabo Verde de preparação para o jogo com o Lesoto, marcado para domingo.

Cabo Verde parte para essa partida na última posição do grupo L, mas ainda tem chances de apuramento, caso vença o Lesoto e a Tanzânia não consiga ganhar ao Uganda.

“O ideal seria dependermos de nós, mas isso não é possível. Temos que nos concentrar unicamente no nosso trabalho, porque qualquer distração no futebol pode sair caro”, afirmou o técnico português, que regressou à seleção de Cabo Verde com a qualificação em andamento.

Depois de uma derrota em casa com o Uganda, ainda Lúcio Antunes como selecionador, o técnico português conseguiu depois um empate (1-1) no Lesoto, uma vitória (3-0) na receção à Tanzânia, mas depois consentiu duas derrotas, na Tanzânia (2-0) e no Uganda (1-0).

Rui Águas salientou por isso a importância da vitória no domingo, mesmo sabendo que o Lesoto é uma equipa muito difícil e que também está a lutar pelo apuramento.

“Este Lesoto, embora não seja uma seleção muito conhecida, é uma equipa que tem valor e que joga a sua qualificação aqui também e que está a nossa frente. Por isso, temos que abordar este jogo com confiança e respeitar o adversário”, disse o técnico, afirmando que o facto de todas as equipas ainda estarem na luta pelo apuramento “desperta” os cabo-verdianos.

O técnico disse que espera contar, mais uma vez, com o apoio do público: “Faremos o nosso trabalho, analisámos a equipa do Lesoto, como fazemos com qualquer equipa, respeitámo-la, confiamos em nós e esperamos viver mais um dia bom, de alegria e de festejo.”

“Estamos muito empenhados, muito confiantes e desejando que a atmosfera nos ajude como foi sempre”, terminou o timoneiro da seleção cabo-verdiana.

O avançado Heldon ‘Nhuc’ Ramos também entendeu que será um “jogo difícil” e “importante” para Cabo Verde, que quer ganhar para poder ir à CAN pela terceira vez.

Cabo Verde não depende de si para se apurar, mas o avançado, que em Portugal já jogou em equipas como Sporting, Guimarães ou Marítimo, disse que o país tem de fazer o seu trabalho e vencer no domingo.

“Estamos focados em ganhar, temos essa esperança, essa certeza que as coisas vão correr bem e que vamos conseguir e no final do jogo de domingo estaremos todos a festejar o apuramento para a CAN”, perspetivou.

Heldon, um dos jogadores mais conhecidos e acarinhados pelos cabo-verdianos, disse também esperar a presença dos adeptos no Estádio Nacional para “fazer uma festa bonita”.

Cabo Verde ocupa o quarto lugar do grupo com quatro pontos, menos um do que Lesoto e Tanzânia, enquanto o Uganda já assegurou o primeiro lugar, com 13.