Rádio Observador

Futebol

Cabo Verde “podia ter feito melhor”, mas quer estar na CAN2019

O treinador Rui Águas reconheceu que Cabo Verde "podia ter feito melhor" no apuramento para a Taça das Nações Africanas, mas ainda tem esperanças de marcar presença na prova.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador Rui Águas reconheceu esta segunda-feira que Cabo Verde “podia ter feito melhor” no apuramento para a Taça das Nações Africanas (CAN2019) de futebol, mas ainda tem esperanças de marcar presença na maior prova de seleções daquele continente.

“Se calhar podíamos ter feito um ou dois pontos mais, mas a realidade é esta: Lesoto para bater e esperar que o outro jogo corra bem”, disse o selecionador, em conferência de imprensa antes do início dos treinos de Cabo Verde de preparação para o jogo com o Lesoto, marcado para domingo.

Cabo Verde parte para essa partida na última posição do grupo L, mas ainda tem chances de apuramento, caso vença o Lesoto e a Tanzânia não consiga ganhar ao Uganda.

“O ideal seria dependermos de nós, mas isso não é possível. Temos que nos concentrar unicamente no nosso trabalho, porque qualquer distração no futebol pode sair caro”, afirmou o técnico português, que regressou à seleção de Cabo Verde com a qualificação em andamento.

Depois de uma derrota em casa com o Uganda, ainda Lúcio Antunes como selecionador, o técnico português conseguiu depois um empate (1-1) no Lesoto, uma vitória (3-0) na receção à Tanzânia, mas depois consentiu duas derrotas, na Tanzânia (2-0) e no Uganda (1-0).

Rui Águas salientou por isso a importância da vitória no domingo, mesmo sabendo que o Lesoto é uma equipa muito difícil e que também está a lutar pelo apuramento.

“Este Lesoto, embora não seja uma seleção muito conhecida, é uma equipa que tem valor e que joga a sua qualificação aqui também e que está a nossa frente. Por isso, temos que abordar este jogo com confiança e respeitar o adversário”, disse o técnico, afirmando que o facto de todas as equipas ainda estarem na luta pelo apuramento “desperta” os cabo-verdianos.

O técnico disse que espera contar, mais uma vez, com o apoio do público: “Faremos o nosso trabalho, analisámos a equipa do Lesoto, como fazemos com qualquer equipa, respeitámo-la, confiamos em nós e esperamos viver mais um dia bom, de alegria e de festejo.”

“Estamos muito empenhados, muito confiantes e desejando que a atmosfera nos ajude como foi sempre”, terminou o timoneiro da seleção cabo-verdiana.

O avançado Heldon ‘Nhuc’ Ramos também entendeu que será um “jogo difícil” e “importante” para Cabo Verde, que quer ganhar para poder ir à CAN pela terceira vez.

Cabo Verde não depende de si para se apurar, mas o avançado, que em Portugal já jogou em equipas como Sporting, Guimarães ou Marítimo, disse que o país tem de fazer o seu trabalho e vencer no domingo.

“Estamos focados em ganhar, temos essa esperança, essa certeza que as coisas vão correr bem e que vamos conseguir e no final do jogo de domingo estaremos todos a festejar o apuramento para a CAN”, perspetivou.

Heldon, um dos jogadores mais conhecidos e acarinhados pelos cabo-verdianos, disse também esperar a presença dos adeptos no Estádio Nacional para “fazer uma festa bonita”.

Cabo Verde ocupa o quarto lugar do grupo com quatro pontos, menos um do que Lesoto e Tanzânia, enquanto o Uganda já assegurou o primeiro lugar, com 13.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)