Rádio Observador

Miguel Relvas

Empresa de mulher de Miguel Relvas ganhou exploração de comboio presidencial

2.985

Uma ideia de uma menina de 10 anos levou Marta Relvas e um sócio português a ganharam por ajuste directo a exploração de comboio no rio Douro. Mulher de ex-ministro já saiu da empresa.

O ex-ministro Miguel Relvas (primeiro à direita) com a sua mulher Marta Relvas (segunda à esquerda) em 2017 no casamento de Bruno de Carvalho com Joana Ornelas

Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens

Chama-se comboio presidencial, foi utilizado por diversos chefes de Estado e a sua exploração turística foi adjudicada sem custos em 2016 a uma empresa que tinha Marta Relvas, mulher do ex-ministro Miguel Relvas, como sócia. Trata-se da sociedade Trajetórias & Melodias, Lda, uma empresa fundada por Gonçalo Castel-Branco e Marta Relvas, segundo uma reportagem especial da SIC transmitida na segunda-feira à noite. Em 2017, o evento gastronómico criado por aquela empresa, o “The Presidential”, foi eleito o melhor evento público do mundo pela Best Event Awards 2017 — uma espécie de óscar mundial dos eventos.

Antes usado para o transporte de presidentes, o comboio presidencial esteve ao abandono entre os anos 70 e o ano de 2010, ano em que começou a ser restaurado pela Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), que pertence ao grupo CP. Segundo a SIC, a recuperação das carruagens só foi possível com a injeção de um milhão e meio de euros dos fundos comunitários do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), do Turismo de Portugal, da CP e das Infraestruturas de Portugal.

Finda a sua restauração, em 2013 deu-se a viagem inaugural de Lisboa ao Entroncamento. Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, entidade que decidia sobre a canalização dos fundos comunitários, dizia que o comboio teria de ser explorado por forma a “gerar rendimento às economias locais”, já que é esse “o objetivo dos financiamentos comunitários”.

O “Presidencial”, o novo nome da composição, volta à tona em 2016, com a entrada em cena de Marta Relvas e Gonçalo Castel-Branco que celebraram um contrato com a Fundação do Museu Nacional Ferroviário para a cedência da composição. “A parceria resulta do interesse manifestado por uma entidade e que foi ao encontro do interesse que o museu tinha em encontrar uma solução que pudesse dar visibilidade ao comboio presidencial”, disse Jorge Faria, vogal da fundação, à SIC. A fundação tinha saldos negativos superiores a 300 e 400 mil euros em 2016 e 2017 e precisava de receitas. Segundo o Público, o presidente da fundação nessa época era Jaime Ramos, ex-presidente da Câmara do Entroncamento eleito pelo PSD.

Sob a alçada da empresa da Castel-Branco e Marta Relvas, o comboio passou a circular pelo Douro, com paragens para provas de vinho e pratos confecionados por chefs no vagão, com o preço por cabeça a chegar a cerca aos 300 euros. “Estava à procura de um comboio e encontrei o comboio presidencial. Fiquei apaixonado. Perguntei ao museu se estava disponível e disseram-me que sim”, explicou Gonçalo Castel-Branco à SIC.

Ideia para negócio partiu de filha de 10 anos de sócio de Marta Relvas

“Não houve nenhuma condição que me tenha sido dada e que não tenha sido dada a outro concorrente que tenha visitado o comboio antes ou depois de mim”, disse o sócio de Marta Relvas sobre o acordo com a Fundação do Museu Nacional Ferroviário. Questionado sobre a parceria com a mulher de um antigo ministro, o empresário rejeita qualquer favorecimento e refere que, à data da cedência (2016), o governo em exercícios de funções era o atual liderado pelo PS de António Costa. O último cargo público de Relvas foi o de ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares em 2013, no Governo de Passos Coelho.

Questionado sobre o teor do contrato celebrado com a Trajetórias & Melodias, Jorge Faria diz não saber se obedeceu a um concurso público. Sobre os contratos, o vogal da fundação garantia que iria divulgar toda a informação sobre o caso algo que, segundo o canal de televisão, nunca chegou a acontecer. Segundo Gonçalo Castel-Branco, sócio que sempre deu a cara pelo negócio, o contrato estipulava que seria a empresa a assumir todas as despesas de circulação e manutenção — custos que ascendem aos 180 mil euros anuais.

Em 2017, Marta Relvas deixou a sociedade alegando que o negócio dava prejuízo, apesar de toda a atenção mediática derivada dos prémios que o evento “The Presidencial” tinha conseguido. À SIC, a mulher de Miguel Relvas garantiu que a ideia partiu da filha de 10 anos de Gonçalo Castel-Branco– facto que é confirmado pelo seu sócio.

A operação, contudo, continuou. Segundo as contas da fundação do mesmo, a empresa terá faturado 600 mil euros, valor negado por Gonçalo Castel-Branco, que descobriu uma situação inesperada que inviabilizava o negócio. “Eram necessários 40 mil euros para a manutenção do comboio – os rodados. Tivemos que aumentar o prazo para que pudesse recuperar o investimento”, disse à SIC.

O Ministério das Infraestruturas disse à SIC que o acordo de cedência “não acautela o interesse público” e “deve ser reavaliado e sujeito a profunda revisão”.

Artigo editado às 11h de 19 de março com a informação do Público e a resposta do Ministério das Infraestruturas à SIC.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)