Rádio Observador

Holanda

“Por enquanto” não há portugueses entre as vítimas no ataque na Holanda

Augusto Santos Silva não descarta a possibilidade de haver portugueses feridos na Holanda, mas afirma que "por enquanto" não há esse registo. Autoridades estão a ser "muito cautelosas".

Augusto Santos Silva falou aos jornalistas no final do Conselho dos Negócios Estrangeiros da União Europeia

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O ministro dos Negócios Estrangeiros disse esta segunda-feira que “por enquanto” não há registo de portugueses entre as vítimas do tiroteio que ocorreu em Utrecht, na Holanda. “Não temos por enquanto registo”, respondeu Augusto Santos Silva ao ser questionado sobre se haveria portugueses entre as vítimas do tiroteio que aconteceu esta manhã na cidade holandesa, de que resultaram pelo menos três mortos e cinco feridos.

Em declarações aos jornalistas em Bruxelas, no final do Conselho dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE), o chefe da diplomacia portuguesa revelou que o seu homólogo holandês, Stef Blok, foi “muito cuidadoso”, tendo apenas confirmado “a existência do atentado, a mais que provável natureza terrorista desse atentado, a existência de vítimas, entre as quais vítimas mortais”.

“Sei que a imprensa tem avançado que há três vítimas mortais, mas as autoridades são mais cautelosas do que a imprensa”, observou, apesar de a própria polícia já ter confirmado, através nas páginas oficiais nas redes sociais e das conferências de imprensa, o número de feridos e de mortos no ataque.

O ministro holandês informou ainda os seus homólogos de que a polícia holandesa está “a tentar encontrar e deter o perpetuador ou perpetuadores deste atentado”. “Evidentemente que exprimo aqui publicamente a solidariedade devida às famílias das vítimas, aos feridos, e também ao povo e às autoridades holandesas”, declarou Santos Silva.

Pelo menos três pessoas foram mortas e cinco ficaram feridas nos tiroteios de hoje de manhã em Utrecht, segundo o balanço mais recente feitos pelas autoridades holandesas. Segundo a agência de notícias EFE, testemunhos colhidos pelas autoridades indicaram que um homem sacou de uma arma e começou a disparar de forma aleatória contra as pessoas, tendo-se depois colocado em fuga. Alguns testemunhos referiram que há mais de uma pessoa envolvida no tiroteio, mas a polícia só confirmou um atacante.

A polícia informou que procura Gokman Tanis, um homem de 37 anos, nascido na Turquia, suspeito de estar ligado aos tiroteios.

Uma unidade anti-terrorista está ainda a investigar um Renault Clio de cor vermelha, encontrado abandonado num bairro residencial de Utrecht, que pode ter servido para transportar o autor ou autores do tiroteio, segundo informações de jornais locais. As autoridades anunciaram, entretanto, que passaram o nível de ameaça para o grau cinco, o mais elevado, na província de Utrecht, que durará pelo menos até às 18:00 de hoje.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)