Startups

Estes portugueses querem acabar com as caixas de supermercado

2.715

A tecnologia da Sensei promete entrar num supermercado, pôr as compras no cesto e sair sem ficar na fila da caixa. Quer ser o concorrente da Amazon Go e vai abrir a primeira loja na Europa no verão.

Em baixo, os fundadores da empresa (Nuno Moutinho, Vasco Portugal, Joana Rafael e Paulo Carreia) com a equipa da Sensei na simulação da loja sem caixas para pagar

KIMMY SIMÕES/OBSERVADOR

Chegar ao hipermercado, pôr os produtos no carrinho, não ficar em filas de espera e sair sem ter de passar por uma caixa ou funcionário. Parece que está a sair sem pagar? Não está. Os clientes da Amazon Go, por exemplo, já fazem deste hábito uma prática corrente — graças às câmaras de reconhecimento de imagens que são implementadas nas lojas, o pagamento é feito automaticamente na conta do cartão de crédito do cliente quando este sai da loja. E é isto que os portugueses da Sensei querem implementar também em Portugal, tornando-se na primeira empresa a ter uma loja deste género na Europa. “É a uberização [como a Uber] das lojas”, conta Vasco Portugal, presidente executivo e cofundador da startup.

O mini supermercado que os quatro fundadores da Sensei criaram para mostrar como funciona a sua tecnologia está instalado no último andar de um edifício na rua Braamcamp, em Lisboa. Não é uma loja, é apenas uma simulação, mas dá para ver como tudo funciona. “É o propósito de qualquer retalhista acabar com as caixas. O mau nas compras é esperar”, afirma Vasco Portugal.

Joana Rafael é responsável de operações, Paulo Carreira é cientista chefe, Nuno Moutinho é o diretor de tecnologia e Vasco Portugal é presidente executivo. Todos são, ou foram, doutorandos no Instituto Superior Técnico e já tiveram outras startups. Com o conhecimento e experiência que adquiriram, e porque a família de Joana Rafael está ligada ao retalho — “o meu avô foi fundador da Dielmar” — tiveram a ideia de resolver um dos principais problemas nas compras: as filas para pagar.

Atualmente, já existem opções que permitem aos clientes fugir das filas de supermercado, como as apps e sites para que possam fazer as compras online ou as aplicações  que alguns hipermercados já disponibilizam para ler os códigos de barras dos produtos que põem no carrinho. Mas a Sensei tem objetivos mais ambiciosos.

A promessa da empresa é abrir no início do verão a primeira loja do género da Amazon Go na Europa, com a tecnologia da Sensei, “totalmente portuguesa”, e em parceria com uma “grande cadeia de hipermercados”, que não revelam ainda qual. Apesar de a startup ter sido fundada em 2017, Vasco Portugal assume que só está agora a implementar esta nova forma de fazer compras porque, “havia desafios na tecnologia que foram colmatados pelo aumento da capacidade de processamento e o desenvolvimento das redes neuronais”.

Para avançarem com o objetivo de serem o nome de referência na implementação deste serviço para retalhistas, contam já com 600 mil euros de investimento de investidores como a alemã Metro AG, do setor dos hipermercados e a Sonae Investment Management.

Quanto à possibilidade de esta tecnologia tornar a profissão de caixa de supermercado obsoleta, a Sensei prefere não olhar para o problema de forma pessimista. “As profissões desaparecem, mas os empregos não”, diz Vasco Portugal. “Não faz sentido pormos centenas de pessoas a fazer trabalhos altamente mecânicos, ao dia de hoje não faz sentido essa profissão ainda existir”, continua o executivo. Segundo Vasco Portugal, esta alteração vai permitir “a uma pessoa trabalhar num sítio com muito mais qualidade de vida e contribuir de forma a que se sinta muito mais realizada”. Como? “Na Amazon Go a experiência não é a de que haja menos trabalhadores em loja, há mais gente a dar suporte ao cliente e há hipótese de criar empregos com mais valor”, exemplifica. Para este executivo, os retalhistas vão aproveitar esta tecnologia para “ter mais gente [nas lojas] a dar mais ajuda” aos clientes.

Dizemos que re-humanizamos o retalho. O retalhista pode mudar a função [do trabalhador de caixa de supermercado]. Se for sustentável, não vejo porque não [vai acontecer]”, afirma Joana Rafael é responsável de operações da Sensei.

A privacidade está também na base do sistema que estão a vender. A tecnologia não reconhece o utilizador individualmente e os dados recolhidos durante as compras são analisados em conjunto, de forma agregada. Contudo, os retalhistas que já analisarem dados de clientes individuais, através do NIF e de cartões de desconto, para perceber padrões de comportamentos, vão poder continuar a fazê-lo, conta Joana Rafael. Apesar de a tecnologia utilizar reconhecimento de imagem, há uma garantia: “a nossa tecnologia não é reconhecimento facial”.

Mas como é que funciona?

A loja simulada da Sensei para testar a compra de produtos sem caixas no final (KIMMY SIMÕES/OBSERVADOR)

A melhor forma de perceber a tecnologia da Sensei é experimentá-la e, por isso, a empresa criou uma simulação de uma loja nos escritórios onde tem a sede. À entrada, há uma imagem com um código QR que, ao ser digitalizada pela câmara do smartphone, abre uma página no browser para podermos entrar. Neste caso, o registo já estava feito, pelo que foi mais fácil começar a simulação. O nome que foi atribuído à nossa conta foi o da atriz Julia Roberts, mas esse foi um pormenor que a Sensei colocou para tornar a experiência mais engraçada. Por norma, o sistema vai associar o código à conta do utilizador.

Depois de entrarmos, pegámos num saco de compras e pudemos retirar e pôr na prateleira qualquer produto. No final, com um pacote de leite, um frasco de chocolate de barrar e dois rolos de papel de cozinha no saco, bastou abrir a porta e sair. Noutra sala, pudemos ver que durante os minutos em que fizemos estas compras simuladas, as inúmeras câmaras no teto desta divisão seguiram os movimentos que fizemos na sala e viram sempre que tirámos ou pusemos um artigo no saco ou de novo na prateleira.

O recibo que apareceu no final da compra sem caixa. Não foi combinado previamente que produtos se iria retirar.

Apesar de o rastreio não acontecer em tempo real — não é possível ver no browser que produtos estamos a pôr no saco, com uma estimativa de preço — poucos minutos depois de sairmos da sala já apareceu no browser a fatura simulada do que comprámos. Se tivéssemos um cartão de crédito associado e fosse uma loja real, tinha sido uma compra sem filas como na Amazon Go.

Temos vários módulos de visão computacional que estão a analisar vários tipos de informação. De pessoas ao produto ou à disposição da prateleira. Cada produto que se tira da prateleira é tirado e, se voltar à prateleira, a novamente inserido no inventário [da loja]”, explica Vasco Portugal. Nesta mesma sala estava o Eco, um computador do tamanho de um servidor de escritório da Sensei, no qual foram processadas todas estas informações.

Apesar de a Amazon Go ter sido pioneira na aplicação da tecnologia “Autonomous Store”, como também é apelidada — com lojas nos EUA em São Francisco, Seattle, Washington e Chicago — a equipa portuguesa afirma que desde 2017 que já estava a trabalhar neste serviço. Além de querer facilitar a vida ao consumidores, também o querem fazer aos retalhistas. Com todos os dados de produtos a serem registados em tempo real, o registo de inventário de que produtos estão nas prateleiras é mais eficiente. Agora, o objetivo é também aumentar a empresa: até ao final de 2019 a Sensei quer duplicar a equipa (são 11 ao todo, com os quatro fundadores incluídos)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)