Rádio Observador

Startups

Estes portugueses querem acabar com as caixas de supermercado

2.715

A tecnologia da Sensei promete entrar num supermercado, pôr as compras no cesto e sair sem ficar na fila da caixa. Quer ser o concorrente da Amazon Go e vai abrir a primeira loja na Europa no verão.

Em baixo, os fundadores da empresa (Nuno Moutinho, Vasco Portugal, Joana Rafael e Paulo Carreia) com a equipa da Sensei na simulação da loja sem caixas para pagar

KIMMY SIMÕES/OBSERVADOR

Chegar ao hipermercado, pôr os produtos no carrinho, não ficar em filas de espera e sair sem ter de passar por uma caixa ou funcionário. Parece que está a sair sem pagar? Não está. Os clientes da Amazon Go, por exemplo, já fazem deste hábito uma prática corrente — graças às câmaras de reconhecimento de imagens que são implementadas nas lojas, o pagamento é feito automaticamente na conta do cartão de crédito do cliente quando este sai da loja. E é isto que os portugueses da Sensei querem implementar também em Portugal, tornando-se na primeira empresa a ter uma loja deste género na Europa. “É a uberização [como a Uber] das lojas”, conta Vasco Portugal, presidente executivo e cofundador da startup.

O mini supermercado que os quatro fundadores da Sensei criaram para mostrar como funciona a sua tecnologia está instalado no último andar de um edifício na rua Braamcamp, em Lisboa. Não é uma loja, é apenas uma simulação, mas dá para ver como tudo funciona. “É o propósito de qualquer retalhista acabar com as caixas. O mau nas compras é esperar”, afirma Vasco Portugal.

Joana Rafael é responsável de operações, Paulo Carreira é cientista chefe, Nuno Moutinho é o diretor de tecnologia e Vasco Portugal é presidente executivo. Todos são, ou foram, doutorandos no Instituto Superior Técnico e já tiveram outras startups. Com o conhecimento e experiência que adquiriram, e porque a família de Joana Rafael está ligada ao retalho — “o meu avô foi fundador da Dielmar” — tiveram a ideia de resolver um dos principais problemas nas compras: as filas para pagar.

Atualmente, já existem opções que permitem aos clientes fugir das filas de supermercado, como as apps e sites para que possam fazer as compras online ou as aplicações  que alguns hipermercados já disponibilizam para ler os códigos de barras dos produtos que põem no carrinho. Mas a Sensei tem objetivos mais ambiciosos.

A promessa da empresa é abrir no início do verão a primeira loja do género da Amazon Go na Europa, com a tecnologia da Sensei, “totalmente portuguesa”, e em parceria com uma “grande cadeia de hipermercados”, que não revelam ainda qual. Apesar de a startup ter sido fundada em 2017, Vasco Portugal assume que só está agora a implementar esta nova forma de fazer compras porque, “havia desafios na tecnologia que foram colmatados pelo aumento da capacidade de processamento e o desenvolvimento das redes neuronais”.

Para avançarem com o objetivo de serem o nome de referência na implementação deste serviço para retalhistas, contam já com 600 mil euros de investimento de investidores como a alemã Metro AG, do setor dos hipermercados e a Sonae Investment Management.

Quanto à possibilidade de esta tecnologia tornar a profissão de caixa de supermercado obsoleta, a Sensei prefere não olhar para o problema de forma pessimista. “As profissões desaparecem, mas os empregos não”, diz Vasco Portugal. “Não faz sentido pormos centenas de pessoas a fazer trabalhos altamente mecânicos, ao dia de hoje não faz sentido essa profissão ainda existir”, continua o executivo. Segundo Vasco Portugal, esta alteração vai permitir “a uma pessoa trabalhar num sítio com muito mais qualidade de vida e contribuir de forma a que se sinta muito mais realizada”. Como? “Na Amazon Go a experiência não é a de que haja menos trabalhadores em loja, há mais gente a dar suporte ao cliente e há hipótese de criar empregos com mais valor”, exemplifica. Para este executivo, os retalhistas vão aproveitar esta tecnologia para “ter mais gente [nas lojas] a dar mais ajuda” aos clientes.

Dizemos que re-humanizamos o retalho. O retalhista pode mudar a função [do trabalhador de caixa de supermercado]. Se for sustentável, não vejo porque não [vai acontecer]”, afirma Joana Rafael é responsável de operações da Sensei.

A privacidade está também na base do sistema que estão a vender. A tecnologia não reconhece o utilizador individualmente e os dados recolhidos durante as compras são analisados em conjunto, de forma agregada. Contudo, os retalhistas que já analisarem dados de clientes individuais, através do NIF e de cartões de desconto, para perceber padrões de comportamentos, vão poder continuar a fazê-lo, conta Joana Rafael. Apesar de a tecnologia utilizar reconhecimento de imagem, há uma garantia: “a nossa tecnologia não é reconhecimento facial”.

Mas como é que funciona?

A loja simulada da Sensei para testar a compra de produtos sem caixas no final (KIMMY SIMÕES/OBSERVADOR)

A melhor forma de perceber a tecnologia da Sensei é experimentá-la e, por isso, a empresa criou uma simulação de uma loja nos escritórios onde tem a sede. À entrada, há uma imagem com um código QR que, ao ser digitalizada pela câmara do smartphone, abre uma página no browser para podermos entrar. Neste caso, o registo já estava feito, pelo que foi mais fácil começar a simulação. O nome que foi atribuído à nossa conta foi o da atriz Julia Roberts, mas esse foi um pormenor que a Sensei colocou para tornar a experiência mais engraçada. Por norma, o sistema vai associar o código à conta do utilizador.

Depois de entrarmos, pegámos num saco de compras e pudemos retirar e pôr na prateleira qualquer produto. No final, com um pacote de leite, um frasco de chocolate de barrar e dois rolos de papel de cozinha no saco, bastou abrir a porta e sair. Noutra sala, pudemos ver que durante os minutos em que fizemos estas compras simuladas, as inúmeras câmaras no teto desta divisão seguiram os movimentos que fizemos na sala e viram sempre que tirámos ou pusemos um artigo no saco ou de novo na prateleira.

O recibo que apareceu no final da compra sem caixa. Não foi combinado previamente que produtos se iria retirar.

Apesar de o rastreio não acontecer em tempo real — não é possível ver no browser que produtos estamos a pôr no saco, com uma estimativa de preço — poucos minutos depois de sairmos da sala já apareceu no browser a fatura simulada do que comprámos. Se tivéssemos um cartão de crédito associado e fosse uma loja real, tinha sido uma compra sem filas como na Amazon Go.

Temos vários módulos de visão computacional que estão a analisar vários tipos de informação. De pessoas ao produto ou à disposição da prateleira. Cada produto que se tira da prateleira é tirado e, se voltar à prateleira, a novamente inserido no inventário [da loja]”, explica Vasco Portugal. Nesta mesma sala estava o Eco, um computador do tamanho de um servidor de escritório da Sensei, no qual foram processadas todas estas informações.

Apesar de a Amazon Go ter sido pioneira na aplicação da tecnologia “Autonomous Store”, como também é apelidada — com lojas nos EUA em São Francisco, Seattle, Washington e Chicago — a equipa portuguesa afirma que desde 2017 que já estava a trabalhar neste serviço. Além de querer facilitar a vida ao consumidores, também o querem fazer aos retalhistas. Com todos os dados de produtos a serem registados em tempo real, o registo de inventário de que produtos estão nas prateleiras é mais eficiente. Agora, o objetivo é também aumentar a empresa: até ao final de 2019 a Sensei quer duplicar a equipa (são 11 ao todo, com os quatro fundadores incluídos)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)