China

Pequim diz que Macau é “nuclear” na Grande Baía, mas tem de saber agarrar oportunidade

O diretor do Gabinete de Ligação de Pequim frisou a importância de Macau "participar no desenvolvimento do país" e na oportunidade que a Grande Baía tem a nível de circulação de pessoas e mercadorias.

A Grande Baía é uma região com cerca de 70 milhões de habitantes e tem um PIB maior do que o da Austrália, Indonésia e México

FREDDY CHAN / STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor do Gabinete de Ligação de Pequim disse esta terça-feira que Macau é “nuclear” na Grande Baía, uma metrópole mundial que a China está a criar, mas avisou que o território tem de “saber agarrar a oportunidade histórica”.

Fu Ziying lembrou que este projeto parte de “uma estratégia nacional que abarca todo o povo chinês”, durante um encontro organizado pelo Governo de Macau para debater a Grande Baía, que envolve os territórios de Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong.

A Grande Baía é uma região com cerca de 70 milhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto que ronda os 1,3 biliões de dólares, maior que o PIB da Austrália, Indonésia e México, países que integram o G20.

O diretor do Gabinete de Ligação do Governo Central na Região Administrativa de Macau (RAEM) sublinhou ainda que esta é “uma oportunidade sem precedentes para as cidades envolvidas“, referindo-se também a Hong Kong e a Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing.

Fu frisou a importância de Macau “participar no desenvolvimento do país” e na oportunidade que este projeto representa ao nível da “circulação de pessoas e mercadorias”, assim como “na qualidade de vida da população”.

Já o chefe do Governo da RAEM, Fernando Chui Sai On, destacou o facto de Pequim “estar a dar relevância” ao território na criação desta metrópole mundial e sustentou que o seu “motor de desenvolvimento é composto por quatro cidades”: Macau, Hong Kong, Guangzhou e Shenzhen.

O “Encontro de Intercâmbio sobre as ‘Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong–Hong Kong-Macau’ e o Futuro de Macau” juntou, além de membros do Governo e de dirigentes da RAEM, académicos e especialistas, numa iniciativa organizada pela Direção dos Serviços de Estudo de Política e Desenvolvimento Regional.

A China quer acelerar a integração de Macau no país, através de medidas de aproximação às cidades vizinhas da província de Guangdong, ao mesmo tempo que pretende reforçar o papel de Macau como plataforma comercial com os países lusófonos.

Até 2035, 14 anos antes de terminar o período que prevê um alto grau de autonomia, ao abrigo da política “Um País, Dois Sistemas”, o Governo Central pretende integrar Macau através de políticas de educação, saúde, emprego, segurança social e facilidades de mobilidade fronteiriças.

Estas ambições constam no documento divulgado em fevereiro pelo Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC) e pelo Conselho de Estado (Executivo), intitulado de “Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”.

O documento estipula que, até 2022, a Grande Baía deverá converter num ‘cluster’ de classe mundial e, até 2035, numa área de excelência a nível internacional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)