Rui Rio

PSD questiona tarifas reduzidas nos passes de Lisboa. “Até que ponto é justo?”

314

À saída de um encontro com o Presidente da República, o presidente do PSD disse que "o grosso do país" é "completamente abandonado nesta matéria" e questionou a concentração dos apoios em Lisboa.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O presidente do PSD, Rui Rio, questionou a justeza dos passes sociais mais baratos nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto, quando “o grosso do país” é “completamente abandonado nesta matéria”.

No final de uma reunião com o Presidente da República, o líder do PSD começou por referir que “ninguém põe em causa em Portugal que, quanto mais baratos forem os passes sociais, naturalmente melhor para as pessoas, particularmente aqueles que têm mais dificuldades económicas”.

“Agora, o que nós questionamos é, até que ponto é que é justo que isto seja extremamente centrado na Área Metropolitana de Lisboa, e um pouquinho no Porto, e que o grosso do país seja completamente abandonado nesta matéria”, vincou.

Na opinião de Rio, “não é justo, não é correto que os portugueses do interior, e sem ser do interior, estejam através dos seus impostos a subsidiar os passes na Área Metropolitana de Lisboa”.

Para o presidente do PSD, “isto resolvia-se se fosse da responsabilidade das câmaras municipais”, mas “sendo o Orçamento do Estado, sendo os impostos dos portugueses a pagar, então tem de haver igualdade, não se pode privilegiar nenhuma área específica do país”.

O Governo e os presidentes dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML) assinaram esta segunda-feira na capital os contratos para a entrada em vigor, em abril, de um passe único nos 18 concelhos da AML, que custará no máximo 40 euros.

Na altura, o primeiro-ministro, António Costa, assegurou que a redução tarifária é “um programa nacional”, que beneficiará, já a partir de 1 de abril, 85% da população portuguesa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)