Estados Unidos da América

Trump quer Brasil mais próximo da NATO e Bolsonaro acredita na reeleição de Trump. O rescaldo da conferência de imprensa conjunta

166

Donald Trump e Jair Bolsonaro estiveram esta terça-feira reunidos na Casa Branca, onde o presidente do Brasil disse "acreditar piamente" na reeleição de Trump para um segundo mandato.

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta terça-feira, na Casa Branca, em Washington, que acredita na reeleição de Donald Trump como Presidente norte-americano, nas eleições de 2020, face ao descontentamento com a “realidade do socialismo”. Já o Presidente dos Estados Unidos da América manifestou desejo em ter o Brasil como um aliado dentro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

“É um assunto interno, respeitaremos o resultado das urnas, mas eu acredito piamente na vitória de Donald Trump”, disse o chefe de Estado brasileiro, ao ser questionado pelos jornalistas, após um encontro com Donald Trump, na Casa Branca, sobre a sua reação caso um candidato do Partido Democrata, com posições socialistas, vença a disputa eleitoral norte-americana.

“Mais e mais pessoas estão a abrir os olhos para a realidade do socialismo. Todo o ‘mundo’ vai repetir o voto nele [em Trump]”, acrescentou, na mesma conferência de imprensa, realizada em conjunto com Donald Trump, no âmbito da visita que está a realizar, desde domingo, aos Estados Unidos.

O chefe de Estado brasileiro também declarou que sempre foi um grande admirador dos Estados Unidos, frisando que este seu sentimento aumentou com a chegada de Trump à Casa Branca.

“Sempre fui um grande admirador dos Estados Unidos e esta admiração aumentou com a chegada a de vossa Excelência à Presidência. Este nosso encontro retoma uma antiga relação de parceria e ao mesmo tempo abre um capitulo inédito na relação do Brasil com os Estados Unidos”, exaltou Bolsonaro, referindo-se a Trump.

“Esta é a hora de superar velhas resistências e explorar todo o vasto potencial que existe entre o Brasil e os Estados Unidos. Afinal, hoje, o Brasil tem um Presidente que não é antiamericano, um caso inédito nas últimas décadas”, acrescentou.

Bolsonaro mencionou o apoio que recebeu de Trump para a entrada do Brasil na Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico (OCDE) e a reforço da cooperação militar na busca de tecnologia entre Brasil e Estados Unidos.

O chefe de Estado brasileiro também revelou ter proposto a reativação de um fórum de empresários do Brasil e dos Estados Unidos e a criação de outro fórum sobre inovação.

Donald Trump quer Brasil como aliado da NATO

Na conferência de imprensa conjunta com o Presidente brasileiro, Donald Trump, anunciou que quer contar com o Brasil como um aliado dentro da NATO. “Tenho a intenção de designar o Brasil como um aliado especial fora da NATO e até mesmo como um aliado dentro da NATO. Isso poderia melhorar a nossa cooperação. As nossas nações estão a trabalhar juntas para proteger o povo do terrorismo do crime transnacional e do tráfico de drogas, armas e pessoas, algo que é prioridade”, disse o presidente norte-americano.

O Brasil poderá assim tornar-se no segundo país da América Latina, depois da Argentina, e apenas o décimo oitavo país do mundo a obter o estatuto especial de aliado militar estratégico dos EUA fora da NATO.

Ao longo de toda a conferência de imprensa, Trump elogiou o percurso de Bolsonaro, tanto durante a campanha eleitoral como já no cargo de Presidente, declarando que os dois países têm “valores em comum”, como a importância da “família”, e a “fé no país”.

Donald Trump lembrou que os EUA foram o primeiro país a apoiar a independência do Brasil e que na segunda guerra mundial aquele país apoiou os EUA no conflito, acrescentando que os dois chefes de Estado pensam “de forma muito parecida”, referindo o apoio brasileiro ao povo venezuelano.

“Conversámos muito sobre as nossas prioridades mútuas. O Brasil tem sido um líder extraordinário para ajudar o povo da Venezuela. Em conjunto com os EUA, o Brasil foi um dos primeiros a reconhecer Juan Guaidó como presidente interino”, lembrou.

“Expresso a minha gratidão profunda ao Presidente Bolsonaro pelo Brasil ter permitido a passagem de ajuda humanitária para os venezuelanos pelo território brasileiro”, declarou Trump, na Casa Branca.

O governante dos EUA manifestou-se também acerca do acordo, firmado nesta segunda-feira, que permite aos Estados Unidos da América o lançamento de satélites a partir da base de Alcântara, no Estado brasileiro do Maranhão.

“Depois de 20 anos de conversações, finalmente terminamos o acordo para lançamento de satélites. (…) Com esta medida vamos economizar muito dinheiro”, frisou Trump.

Bolsonaro está em visita oficial aos Estados Unidos desde o passado domingo e deverá regressar ao Brasil ainda esta terça-feira.

O encontro entre os dois Presidentes é considerado um primeiro passo para uma reconfiguração das relações entre Washington e Brasília.

Jair Bolsonaro admitiu que escolheu os Estados Unidos como o primeiro destino para uma visita oficial desde que assumiu a Presidência do Brasil, em 1 de janeiro, para deixar claro o desejo do seu Governo de se aproximar e alinhar-se as políticas de Donald Trump, de quem afirma ser um confesso admirador.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)