Rádio Observador

Festivais

Antibalas e Inner Circle entre primeiros nomes do Festival Músicas do Mundo de Sines

Antibalas, Chico César, Inner Circle e Omar Suleyman estão entre as primeiras confirmações do cartaz do Festival Músicas do Mundo, que decorre em Sines e Porto Covo em julho.

No festival, além dos 'clássicos', cabem também "os melhores artistas da nova geração, mais e menos conhecidos", como JP Bimeni

LEONARDO MUNOZ/EPA

Os norte-americanos Antibalas, o brasileiro Chico César, os jamaicanos Inner Circle e o sírio Omar Suleyman estão entre as primeiras confirmações do cartaz do Festival Músicas do Mundo (FFM), que decorre em Sines e Porto Covo em julho. A 21.ª edição do festival realiza-se de 18 a 27 de julho de 2019, tendo “a grande viagem de circum-navegação musical do mundo escalas já garantidas na Alemanha, África do Sul, Angola, Bélgica, Brasil, Burundi, Cabo Verde, EUA, Gâmbia, Índia, Jamaica, Líbano, Portugal, Reino Unido e Síria”, refere a organização num comunicado divulgado esta quarta-feira.

Além de Antibalas, Chico César, Inner Circle e Omar Suleyman, a organização anunciou também as presenças de Batida com Ikoqwe, Dino D’Santiago, JP Bimeni, Kokoroko, LaBrassBanda, Ladysmith Black Mambazo, Lucibela, Luedji Luna, Melanie de Biasio, Shantel & Bucovina Club Orkestar, Sona Jobarteh, Susheela Raman e The Wanton Bishops.

Os Antibalas, os Inner Circle e os Ladysmith Black Mambazo estiveram programados para 2018, mas “por motivos diversos”, tiveram que cancelar as atuações.

A banda de Nova Iorque, Antibalas, “um dos coletivos que mais tem contribuído para renovar e globalizar a herança do afrobeat de Fela Kuti, sempre aberto a novas experiências e colaborações”, atua em Sines no âmbito da digressão dos 20 anos de carreira. Os jamaicanos Inner Circle “trazem consigo uma abordagem pop das batidas jamaicanas que os tornam um dos grupos mais populares do género”. Quanto ao grupo vocal Ladysmith Black Mambazo, “uma bandeira da música da África do Sul, estreia-se em Sines com “mais de cinco décadas de atividade, acima de 60 álbuns gravados, 4 prémios e 19 nomeações para os Grammys”.

A organização refere-se a estes três coletivos como “‘clássicos’ das músicas do mundo”, bem como a Chico César, “um dos mais reconhecidos cantores, poetas e compositores brasileiros”, Omar Suleyman, que se tornou “um ícone da música eletrónica de fusão”, o alemão Shantel, “génio do sampling cultural”, acompanhado pela Bucovina Club Orkestar, e a cantora e compositora Susheela Raman, “uma das grandes experimentalistas das músicas com raízes”, que estará em Sines com “a sua paixão mais recente: o som dos gamelões javaneses”.

No festival, além dos ‘clássicos’, cabem também “os melhores artistas da nova geração, mais e menos conhecidos”, como JP Bimeni, que tem “uma voz soul que tem sido comparada a Otis Redding no seu auge, mas com ressonâncias do coração de África”, Kokoroko, “um octeto sediado em Londres formado por jovens músicos unidos pelo amor ao afrobeat”, LaBrassBanda, “uma mistura de folk bávara, ska, punk, techno, reggae e metais”, Luedji Luna, “uma nova voz da música afro-brasileira”, Melanie de Biasio, “uma das artistas mais aclamadas do jazz europeu contemporâneo”, Sona Jobarteh, “uma griot mulher, virtuosa do kora” e The Wanton Bishops, “uma banda de rock de Beirute”.

A lista de primeiros nomes para o cartaz do festival fica completa com “três confirmações entre Portugal e a África mais próxima” de Portugal: Batida apresenta Ikoqwe, que junta Pedro Coquenão (Batida) e Luaty Beirão (Ikonoklasta), Dino D’Santiago e a cantora cabo-verdiana Lucibela.

De 18 a 20 de julho, a 21.ª edição do Festival Músicas do Mundo realiza-se em Porto Covo, transitando no dia 21 para Sines, onde permanece até ao dia 27.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)