Rádio Observador

Drogas

Estudo. Consumo diário de canábis aumenta risco de psicose

1.607

A investigação concluiu que o uso de canábis com elevada concentração de THC causa mais danos na saúde mental do que formas mais fracas. O estudo foi realizado em 11 países europeus e no Brasil.

Os investigadores mostraram também como o consumo de canábis afeta a incidência de transtornos psicóticos a um nível populacional

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O consumo diário de canábis, sobretudo de elevada potência, está fortemente ligado ao risco de desenvolver uma psicose, conclui um estudo realizado em vários países europeus e no Brasil e que é esta quarta-feira publicado na revista científica The Lancet.

Vários estudos observacionais têm apontado para uma ligação entre o uso de canábis e a psicose, mas até agora não estaria ainda totalmente demonstrado, a um nível populacional, se os padrões de consumo de canábis influenciam as taxas de psicose.

Uma das autoras principais do novo estudo, Marta Di Forti, sublinha que a investigação concluiu que o uso de canábis com elevada concentração de THC (a substância psicoativa tetraidrocanabinol) causa mais danos na saúde mental do que formas mais fracas. Os investigadores mostraram também como o consumo de canábis afeta a incidência de transtornos psicóticos na população.

Como o estatuto legal da canábis vai mudando em muitos países e Estados, e como são consideradas as prioridades terapêuticas de alguns tipos de canábis, é de grande importância para a saúde pública que também consideremos os potenciais efeitos adversos associados ao uso diário de canábis, especialmente de variedades de alta potência”, afirma a investigadora do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociências do King’s College, de Londres.

O estudo analisou pessoas em 11 locais da Europa e um no Brasil. Primeiro, foi estimada a prevalência de psicose, identificando todas as pessoas com um primeiro episódio que se apresentaram nos serviços de saúde mental entre 2010 e 2015.

Depois, os investigadores compararam 900 doentes com um primeiro episódio de psicose com 1.237 pessoas saudáveis, para entender os fatores de riso associados a psicose.

Foi ainda recolhida informação sobre o histórico de uso de canábis e de outras drogas recreativas em todos os participantes. Foram definidos os limites para a potência da canábis: acima de 10% de THC foi considerada alta potência e abaixo de 10% de THC com sendo de baixa potência.

O uso diário de canábis foi mais comum e frequente entre os doentes com um primeiro episódio de psicose do que comparando com as pessoas do grupo de controlo.

Quase 30% dos doentes relataram uso de canábis diariamente, em comparação com 6,8% das pessoas do grupo de controlo.

O uso de canábis de alta potência (não necessariamente diário) também foi mais comum entre doentes com episódio de psicose do que no grupo de controlo, sendo de 37,1% no primeiro caso, em comparação com 19,4% no grupo de controlo.

Assim, após ajustar outros fatores de risco, os investigadores concluíram que nos locais analisados as pessoas que usavam canábis diariamente tinham três vezes mais probabilidade de ter um diagnóstico de primeiro episódio de psicose, comparando com quem nunca consumiu canábis.

O risco aumenta para cinco vezes mais quando se trata de canábis de alta potência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Droga e dissolução

Dantas Rodrigues

Somos, pela nossa posição geográfica, um país recetor e distribuidor que, no seio da CPLP, ainda não se preocupou em implementar uma concertação política e diplomática de combate ao narcotráfico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)