Fundo Monetário Internacional

FMI avisa que economia de São Tomé e Príncipe enfrenta “imensa pressão”

O Fundo Monetário Internacional advertiu que a economia de São Tomé e Príncipe está "sob uma imensa pressão", com uma "subida vertiginosa" da despesa e quebras da receita.

Xiangming Li defendeu que para reverter o atual quadro e melhorar as condições, o Governo tem "uma tarefa muito árdua"

Ana Freitas/LUSA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) advertiu esta quarta-feira que a economia de São Tomé e Príncipe está “sob uma imensa pressão”, com uma “subida vertiginosa” da despesa e quebras da receita, propondo um programa de três anos no país.

“O país está sob uma imensa pressão. De facto, aquilo que se constatou no ano passado é que a despesa subiu vertiginosamente enquanto a receita caiu bastante”, disse Xiangming Li, chefe da missão do FMI, que iniciou hoje negociações com o Governo são-tomense para alcançar um programa com duração de três anos, destinado a “ajudar a fazer crescer a economia e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos”.

“Normalmente este tipo de programa tem uma duração de três anos, se conseguirmos estabelecer esse programa e lançá-lo este ano, à partida durará até 2022”, disse a responsável do FMI à imprensa, no final do primeiro encontro, hoje, com o ministro do Planeamento, Finanças e Economia Azul, Osvaldo Vaz.

A chefe da missão do FMI foi convidada a deslocar-se a São Tomé pelo Governo de Jorge Bom Jesus, que se manifesta preocupado com a situação macroeconómica do país. Xiangming Li defendeu que para reverter o atual quadro e melhorar as condições, o Governo tem “uma tarefa muito árdua”, de “aumentar as receitas, garantir a promoção do setor privado de modo a que haja fundos para a saúde, educação, para todo o setor social”. A chefe referiu ainda que para aumentar a receita do país “é preciso aumentar a base tributária” e explicou que “até há pouco tempo, basicamente as receitas do país dependiam muito dos impostos sobre as importações”.

“Ora caindo esses impostos, isso tem um impacto negativo muito grande na economia”, acrescentou, dando como exemplo que “em 2010-2011 a relação da receita com a despesa era de 16%, enquanto neste momento o rácio é de apenas 12%”.

Entretanto, em comunicado distribuído esta quarta-feira, o Banco Central de São Tomé e Príncipe (BCSTP) disse ter observado “uma deterioração dos principais indicadores macroeconómicos, com destaque para a desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB), o aumento da inflação, o aumento do défice orçamental e o aumento do défice da balança comercial de bens”. “Quanto aos agregados monetários, registou-se uma contração do crédito à economia, embora se tivesse registado um aumento de liquidez na economia”, diz ainda o comunicado do BCSTP.

O documento refere ainda que a expansão da taxa de juro “continua excessivamente alto”, devido às elevadas taxas de juro ativas aplicadas pelos bancos, o que “condiciona sobremaneira o nível de intermediação financeira, com repercussão negativa no investimento privado e no desempenho da atividade económica”. O Banco Central decidiu, por isso, manter inalterada a taxa de juro de referência em 9 por cento e não alterar a taxa de facilidade permanente de liquidez, fixada atualmente nos 11 por cento.

O comunicado do Banco Central surge na sequência de uma reunião terça-feira do seu Comité de Política Monetária (CPM), que analisou “a conjuntura económica nacional e internacional”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)