O Presidente interino do Cazaquistão propôs esta quarta-feira dar um novo nome à capital, Astana, “em honra” do antigo chefe de Estado Nursultan Nazarbaiev, que renunciou na terça-feira ao cargo após cerca de 30 anos no poder.

De acordo com a agência de notícas France-Presse (AFP), Kassym-Jomart Tokayev propôs o nome “Nursultan”.

Na terça-feira, Nursultan Nazarbaiev, de 78 anos, anunciou a demissão, após cerca de 30 anos na liderança deste país da Ásia central rico em hidrocarbonetos, mas confrontado com uma crescente contestação social.

Depois de 30 anos no poder, o presidente do Cazaquistão demitiu-se

O antigo líder vai manter poderes alargados após a renúncia à presidência, devido a uma lei votada em 2018 e ao estatuto de “Pai da Nação”, que lhe garante imunidade judicial e uma função influente.

Nursultan Nazarbaiev assumiu o poder no Cazaquistão em 1989, quando o país ainda mantinha o estatuto de república soviética e na qualidade de primeiro secretário do Partido Comunista, e conservou o poder após a independência, em 1991, na sequência da desagregação da União Soviética.

Com quase três milhões de quilómetros quadrados, mas menos de 20 milhões de habitantes, o Cazaquistão é a maior economia da Ásia central.

No entanto, a economia também foi muito afetada pela queda dos preços do petróleo e os reflexos das sanções ocidentais aplicadas ao vizinho russo, que motivaram designadamente a queda da moeda cazaque.

O Cazaquistão integra a Comunidade de Estados Independentes (CEI), a organização intergovernamental regional de dez repúblicas pós-soviéticas da Eurásia.