Rádio Observador

Açores

Medina foi multado em 500 euros por subir à reserva do Pico sem autorização

2.982

Presidente da CM Lisboa esteve nos Açores de férias, no verão passado, e foi multado em 500 euros por ter subido à montanha do Pico sem registo prévio e sem ter pago a taxa turística.

Foto: Facebook público de Fernando Medina

Facebook/Fernando Medina

O presidente da câmara municipal de Lisboa, Fernando Medina, passou férias nos Açores, no verão passado, e nessa altura subiu à montanha do Pico sem registo prévio e sem ter pago a taxa turística. Segundo um semanário açoriano, a multa foi fixada em 500 euros mas, além do autarca lisboeta, outros dois familiares receberam multa em igual montante — ou seja, no total, a Direção Regional de Ambiente aplicou uma multa de 1.500 euros aos três.

A notícia do valor da multa foi revelada por um jornal semanário açoriano, o Ilha Maior. Como foi noticiado em setembro, o autarca escalou a montanha do Pico no passado dia 24 de julho na companhia de dois familiares e não procedeu ao registo obrigatório na Casa da Montanha. Quando Medina estava a descer, deparou-se com um grupo de cerca de 50 pessoas — devidamente autorizadas — prontas para começar a escalada ao ponto mais alto de Portugal (2.351 metros).

Foi nesse momento que Medina terá percebido que tinha entrado de forma irregular na zona protegida. No entanto, na altura foi escrito que Medina teria decidido subir ao Pico de forma “autónoma” por não querer esperar, dada a elevada procura.

Em setembro, fonte do gabinete de Fernando Medina esclareceu ao Observador que Fernando Medina regularizou a situação no regresso, depois de subir a montanha do Pico na companhia de um guia. “Ele registou tudo quando desceu, quando soube que tinha de se registar. Tinha uma marcação para ir com um guia, perdeu-se no caminho, chegou atrasado. Desencontraram-se onde era feito esse encontro. Atrasaram-se, tinham de partir e partiram. Quando desceu foi informado que tinha de se registar. Registou-se e pagou. Disseram-lhe que era um erro recorrente.”

A coima prevista ia de 200 e 4.000 euros, segundo o regulamento de acesso à reserva natural, pelo que a coima para cada um acabou por ser fixada em 500 euros.

O Observador tentou contactar fonte oficial do gabinete de Medina, até ao momento sem sucesso.

No passado dia 20 de agosto Fernando Medina partilhou na sua página de Facebook um conjunto de fotografias relativas a uma viagem que fez aos Açores. Numa delas o presidente da CML é visto no topo do Pico. Na legenda lê-se: “Portugal tem lugares maravilhosos, como o são os Açores. Aqui fica o registo de uma viagem inesquecível pelo arquipélago e da subida ao ponto mais alto do nosso país, o vulcão do Pico”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)