Rádio Observador

Fiat

Novo 500 a caminho. Mas só eléctrico, avisa Fiat

Apesar de ter no 500 o “coração” das suas vendas, a partir de 2020, a Fiat aposta numa nova geração movida exclusivamente a electricidade. E mais cara. Quem quiser um 500 a gasolina, compra o actual…

O 500 dispensa apresentações. É um nome que, se não suplanta a marca, pelo menos equivale-a. E a prova disso é que o pequeno modelo da Fiat conseguiu, no seu 11º ano de existência, a proeza de alcançar em 2018 o seu melhor registo anual de sempre, com perto de 194.000 unidades matriculadas na Europa (somatório Fiat 500 e Abarth 500). Mais, o citadino transalpino teve o ano passado a sua melhor quota de sempre (15%). E não é preciso olhar sequer para o mercado italiano para perceber o “peso” do 500 nas vendas da Fiat: basta ver que em Portugal, por exemplo, um em cada cinco veículos vendidos no segmento, em 2018, foram Fiat 500, com 3.400 novas matrículas a fazerem dele o líder do segmento A (quota de 19%).

Se a longevidade e os números do 500 o poderiam elevar ao estatuto de case study, a verdade é que a marca está disposta a deixar para trás o passado no 500 do futuro. Foi o próprio CEO da FCA, Mike Manley, quem prometeu para a próxima edição do Salão de Genebra a revelação da nova geração do compacto. A surpresa é que, sabe-se agora, o novo 500 vai banir por completo os motores a combustão interna, apresentando-se única e exclusivamente como eléctrico a bateria.

A revelação foi feita à britânica AutoExpress pelo director de Marketing da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), Olivier François. Segundo o executivo, a ideia é converter o 500 num “Tesla urbano”. Ou seja, apontá-lo a um posicionamento mais premium, mantendo o típico estilo italiano, mas sobre uma nova arquitectura.

Haverá uma nova plataforma, projectada especificamente para electrificação, e isso tornará o carro radicalmente diferente. Ainda será um 500, com proporções iguais, mas não é o mesmo carro. Será o 500 do futuro”, antecipa o executivo da FCA.

A decisão de equipar o novo 500 apenas com motorização eléctrica poderá ser algo arriscada. É um facto que vários estudos antecipam uma crescente adesão aos EV, porém nada que ameace a hegemonia dos motores a gasolina e diesel. Só daqui a 20 anos, conforme antecipa a KPMG, os eléctricos vão ter uma quota à volta de 30% do mercado. E em 2040, ainda de acordo com a mesma fonte, metade dos automóveis vão continuar a ser locomovidos por motores a gasolina ou diesel (incluindo híbridos). Daí que apostar num novo 500 “só” eléctrico possa alienar um brutal número de clientes.

Olivier François desdramatiza, dizendo acreditar que o icónico modelo tem um apelo “forte o suficiente” para não perder clientes. Resta esperar para ver como é que esses clientes vão reagir também ao expectável aumento do preço. François nada adiantou a este respeito, mas se o 500 vai perseguir um posicionamento premium, virá certamente com um preço a condizer. Afinal de contas, é o próprio director de Marketing quem afirma que o novo 500 vai estar nos antípodas do Centoventi – apresentado como o protótipo de um eléctrico barato.

Certo é que quem quiser comprar um 500, sem ser eléctrico, não terá oferta na nova geração. A actual é que vai continuar a ser comercializada com uma gama de motores a gasolina…

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)