Água

Estudo. Maiores empresas estão a usar mais água e os riscos são crescentes

A nova análise demonstrou um aumento de 49% nas empresas que relataram um elevado consumo de água, apesar de "observarem maiores riscos hídricos para os seus negócios e reportarem perdas financeiras".

As empresas reportaram 38 mil milhões de perdas financeiras relacionadas com a água em 2018

ANT

Autor
  • Agência Lusa

As maiores empresas do mundo estão a usar mais água, apesar dos riscos crescentes, de acordo com um relatório internacional divulgado, que tem por base 800 empresas, que empregam 36 milhões de pessoas.

No relatório anual global sobre a água, a organização sem fins lucrativos CDP (Disclosure Inside Action) afirma que as empresas estão a consumir mais água, apesar de uma maior consciência dos riscos associados à exploração dos recursos hídricos.

Uma nova análise divulgada a propósito do Dia Mundial da Água demonstrou um aumento de 49% nas empresas que relataram um elevado consumo de água entre 2015-2018, apesar de “observarem maiores riscos hídricos para os seus negócios e reportarem perdas financeiras próximas dos 40 mil milhões de dólares, devido à água em 2018.”

Menos de um terço (31%) das empresas em setores de grande impacto tem incentivos relacionados com o uso da água.

As empresas reportaram 38 mil milhões de perdas financeiras relacionadas com a água em 2018.

O retalho é o setor menos transparente, superando pela primeira vez os combustíveis fósseis.

Conclui-se que o número de empresas que identifica riscos hídricos está a aumentar de ano para ano, com 75% a reportarem atualmente a exposição a riscos substanciais, contra 70% em 2015.

A maioria dos riscos identificados são físicos (76%), relacionados com a escassez de água e o declínio da qualidade.

As empresas reportaram que estes riscos podem perturbar a produção, causar danos à marca e levar à perda da licença para trabalhar em determinadas regiões”, lê-se no relatório.

Apesar da grande consciência dos riscos, e do número de empresas a definirem metas para reduzir o dobro do consumo de água, registou-se um aumento de quase 50% no número de companhias a reportarem elevados consumos no mesmo período (2015 — 2018).

Esta tendência é mais notória nas empresas que operam na Ásia e na América Latina, bem como nos setores da alimentação, bebidas e agricultura, indústria e extração mineral.

“Com a indústria a responder por 19% das captações mundiais de água e mais 70% oriundos de redes de fornecimento agrícolas, as empresas têm um papel enorme a desempenhar no cumprimento da meta global da água”, referem os autores do estudo.

“Com três em cada quatro empregos a dependerem normalmente de um fornecimento estável de água, e as empresas a reportarem perdas de 38 mil milhões de dólares (cerca de 33 mil milhões de euros), relacionadas com a água em 2018, há um imperativo económico de agir”, defende a organização no comunicado que acompanha o estudo.

Apesar da escala do desafio — refere a CDP– apenas 31% das companhias analisadas mostraram progressos suficientes para fazer um “ranking de segurança da água” relativo a 2018. Destas, 11 têm sede na Europa, 10 na Ásia e oito nos Estados Unidos.

Entre as que atingiram o estatuto de liderança incluem-se a AstraZeneca, Diageo, L´Oréal e Microsoft, de acordo com o relatório.

Para alcançarem esta posição, as empresas têm não apenas de mostrar que avaliam regularmente a sua exposição ao risco, mas também demonstrar que adotaram uma estratégia responsável para responder a esse risco.

A CDP apresenta-se como uma organização internacional não governamental que conduz empresas e governos a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, a proteger os recursos hídricos e as florestas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
221

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)