Rádio Observador

Facebook

Facebook terá sabido das práticas da Cambridge Analytica antes do que foi admitido

Segundo o procurador-geral de Washington D.C., uma troca de emails revela que já existiam preocupações com a Cambridge Analytica ainda antes da data em que o Facebook diz ter sabido do escândalo.

AFP/Getty Images

Os funcionários do Facebook já teriam demonstrado preocupações sobre “práticas impróprias de recolha de dados” por parte da Cambridge Analytica, a empresa de análise de dados britânica que acedeu indevidamente aos dados de 87 milhões de contas, ainda antes do caso ter sido revelado na imprensa pela primeira vez, em dezembro de 2015. Ou seja, antes da data em que o Facebook diz ter sabido do escândalo, tal como admitido pelo fundador e CEO da rede social, Mark Zuckerberg, sob juramento e perante o Senado norte-americano.

Segundo o The Guardian, a informação está presente num processo judicial apresentado pelo gabinete do procurador geral de Washington D.C., que processou o Facebook depois do escândalo. Trata-se de uma troca de emails entre os funcionários da rede social que, em setembro de 2015, discutiam “como a Cambridge Analytica (e outros) violaram as políticas do Facebook”. Mark Zuckerberg, recorde-se, garantiu perante o Senado norte-americano que apenas soube do caso quando foi divulgado pela imprensa, ou seja, em dezembro de 2015.

Estes emails incluem “avaliações de funcionários a que várias aplicações de terceiros acederam e para as quais venderam dados de consumidores, violando as políticas do Facebook durante as eleições presidenciais de 2016 dos Estados Unidos”, de acordo com o processo. Tudo isto, acrescenta, “indica que o Facebook sabia das práticas impróprias de recolha de dados da Cambridge Analytica, meses antes de os órgãos de comunicação informarem sobre o assunto”.

Em resposta a estas informações, um porta-voz da rede social confirmou ao The Guardian que as preocupações já existiam, mas que estes emails se referiam a um caso diferente de acesso indevido aos dados dos utilizadores. Os funcionários ouviram rumores da recolha de dados pela Cambridge Analytica em setembro de 2015, mas este foi um “incidente diferente” do escândalo com cerca de 87 milhões de contas que foi divulgado três meses depois. “O Facebook não enganou ninguém sobre esta cronologia”, garantiu. 

Em setembro de 2015, os funcionários ouviram especulações de que a Cambridge Analytica estava a utilizar dados, algo que infelizmente é comum em qualquer serviço de Internet”, referiu o porta-voz. “Em dezembro de 2015, soubemos pela primeira vez, através de reportagens da imprensa, que Aleksandr Kogan vendia dados para a Cambridge Analytica e tomamos medidas. Foram duas coisas diferentes”, acrescentou.

“O Facebook não estava ciente da transferência de dados da Kogan/GSR para a Cambridge Analytica até dezembro de 2015, como testemunhamos sob juramento”, garantiu ainda a fonte do Facebook contactada pelo jornal britânico.

O Facebook tem lutado contra a revelação do conteúdo dos emails que estão incluídos no processo, argumentando que esta correspondência pertence a um incidente diferente com a Cambridge Analytica e que deve permanecer em segredo. “O Facebook não divulgou publicamente o documento ou o seu conteúdo e, devido à sua confidencialidade, procurou garantias por parte das agências e entidades governamentais para as quais produziu o documento de que eles também manteriam sua confidencialidade”, escreveu a empresa num comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)