Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos e o “espírito abalado”, a promessa de Dyego Sousa e uma entrada em falso que tem 31 anos

Há 31 anos que Portugal não vence no arranque de um apuramento a jogar em casa. Fernando Santos falou em "espírito abalado" e Dyego Sousa, que se estreou pela seleção, promete "garra e determinação".

O avançado do Sp. Braga estreou-se com a camisola da Seleção Nacional

EPA

Os portugueses já se habituaram a esta quase inevitabilidade de não ter um apuramento para um Europeu ou para um Mundial que seja tranquilo, sem grandes preocupações ou inquietações. Mesmo a qualificação para o Mundial da Rússia, onde Portugal acabou por garantir a presença na fase final de forma direta e ao vencer o grupo em que estava inserido, só foi confirmada no derradeiro jogo contra a Suíça, já que a Seleção havia perdido a partida inicial com os helvéticos. O empate sem golos desta sexta-feira com a Ucrânia, além de ser o terceiro empate consecutivo da seleção portuguesa em jogos oficiais, é também o terceiro jogo de arranque de um apuramento que Portugal não vence (depois da Suíça no Mundial e da Albânia no Euro 2016). Escorregadela habitual, portanto, num jogo onde a Seleção Nacional foi claramente superior mas nunca conseguiu ser asfixiante.

Na verdade, há 31 anos que Portugal não vence no arranque de uma qualificação a jogar em casa. Ainda assim, nem sempre uma vitória inicial é bom augúrio: a Seleção Nacional venceu o Luxemburgo no apuramento para o Mundial 1990 e acabou por falhar a fase final em Itália, enquanto que não conseguiu vencer o primeiro jogo da qualificação para os Europeus 2012 e 2016 mas esteve presente nas edições da Polónia e Ucrânia e de França, acabando por se sagrar campeão europeu nesta última.

Fernando Santos, que na segunda parte trocou o sistema tático de 4x3x3 para 4x4x2, colocando Cristiano Ronaldo primeiro ao lado de André Silva e depois a fazer dupla com o avançado do Sp. Braga, chegou aos 60 jogos com a Seleção Nacional e é já o terceiro selecionador nacional com mais de 40 jogos com a percentagem de empates mais elevada (só atrás de Scolari e Queiroz). Na antevisão, Fernando Santos havia dito que seria uma “desilusão” se Portugal não ganhasse à Ucrânia e não escondeu o natural favoritismo da atual detentora do título contra uma seleção que ficou pela fase de grupos no Euro 2016 e nem sequer esteve o Mundial da Rússia. No final do jogo, face à ausência da vitória, o selecionador confirmou que o empate “deixa sempre o espírito um pouco abalado”.

“A equipa esteve globalmente bem, não ganhou e por isso não está tudo bem, mas a equipa teve bons momentos, outros com mais dificuldade. Faltou-nos concretizar as três ou quatro ocasiões na primeira parte, altura em que o adversário não criou qualquer perigo. Faltou um pouco mais de jogo interior. Mas os jogadores tentaram, criaram situações. Durante o jogo fomos alterando, dando largura depois com o Rafa e o Dyego Sousa. Tentámos por vários lados e até arriscámos quase tudo, pondo-nos ao perigo. Mas foi injusto, Portugal merecia ganhar”, acrescentou Fernando Santos, que sublinhou ainda que a seleção pecou nas situações individuais e que a Ucrânia estudou bem a estratégia da equipa portuguesa, colocando muitos homens na faixa central.

Já Dyego Sousa, que entrou já na segunda parte para substituir André Silva e registou a primeira internacionalização pela Seleção Nacional, mostrou-se “muito feliz” pela estreia mas “triste pelo resultado”. “É um sonho tornado realidade. Já esperava por isso há muito tempo. Agora é descansar e continuar a trabalhar porque temos outro jogo muito importante na próxima segunda feira, temos que sair com a vitória. Jogar pela seleção portuguesa sempre foi o meu objetivo desde que cheguei a Portugal. Desde o Leixões, Portimonense, Tondela, Marítimo e agora Sp. Braga. Sempre quis chegar à Seleção e hoje estou aqui. Quero agradecer o carinho do povo português. Não vai faltar garra e determinação dentro de campo”, garantiu o avançado, que se tornou assim o sétimo brasileiro naturalizado português a jogar por Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)