Rádio Observador

Hospitais

Serviço de Saúde da Madeira instaura processo disciplinar ao médico que denunciou irregularidades

Rafael Macedo denunciou alegadas irregularidades no Hospital Dr. Nélio Mendonça. Disse que havia exames e cirurgias a “doentes urgentíssimos” anulados e encaminhados para privados.

O médico também disse que os pacientes estavam a ser encaminhados para fazerem exames numa clínica privada

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

A Administração do Serviço Regional de Saúde (SESARAM) vai “instaurar um processo disciplinar ao médico Rafael Macedo e determinar ainda a sua suspensão” devido “à gravidade do seu comportamento”, anunciou esta sexta-feira a presidente daquele organismo, Tomásia Alves.

Pela gravidade do seu comportamento, decidiu o SESARAM instaurar um processo disciplinar ao Dr. Rafael Macedo e determinar ainda a sua suspensão enquanto este processo decorrer por considerar que a sua presença pode perturbar as investigações necessárias para a descoberta material da verdade”, revelou Tomásia Alves.

A responsável falava numa conferência de imprensa realizada na Biblioteca do Hospital Dr. Nélio Mendonça perante colaboradores, médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e terapêutica, assistentes técnicos e operacionais.

Rafael Macedo, responsável pela Unidade de Medicina Nuclear do Hospital Dr. Nélio Mendonça, gerou polémica na Madeira depois de denunciar que estavam a ser encaminhados pacientes para fazerem exames numa clínica privada, enquanto aquela unidade, inaugurada em 2013 e certificada em 2017, estava “praticamente parada”.

Esta situação levou à criação de uma comissão de inquérito na Assembleia Legislativa da Madeira, tendo este médico, durante a sua audição, que decorreu quarta-feira, acusado “alguns colegas” de “forte negligência” e de fornecerem tratamentos que “não são adequados”.

Perante os deputados, ainda apontou deficiências nas fichas clínicas e no registo de doentes, informando haver denunciado “várias irregularidades” à Ordem dos Médicos.

Esta sexta-feira, a presidente da administração do SESARAM apontou a “difusão, divulgação de informações e de dados pessoais sensíveis de caráter sigiloso e confidencial em meios de comunicação social e em redes sociais, que teve acesso por via do exercício das suas funções” e o “alarmismo injustificado criado no meio da sociedade civil, prejudicando grave e irremediavelmente a imagem e o bom nome do SESARAM, que é a sua entidade empregadora” como alguns dos motivos que levaram aquela instituição a abrir o processo disciplinar.

Tomásia Alves enumerou ainda a “quebra da confiança, lealdade e do sigilo profissional; as suas declarações e acusações concretas aos médicos, seus colegas de trabalho do SESARAM, nomeadamente, de ‘forte negligência’, de serem ‘inadequados à função’, de ‘não fornecem tratamentos adequados’, de estarem ‘desatualizados’ e de ‘má prática médica’; que ofendem a honra e bom nome de vários colegas e da própria instituição”, como outros dos motivos.

Após a audição de Rafael Macedo, o Serviço de Saúde da Madeira decidiu na quinta-feira suspender os exames até estarem “reunidas todas as condições para a serenidade da prestação” dos serviços de Medicina Nuclear.

Na conferência de imprensa, a responsável pelo SESARAM declarou que “a prestação de cuidados de medicina nuclear continuará a estar assegurada, garantindo a resposta adequada a todos aqueles que dele necessitarem na Região Autónoma da Madeira”.

“O motivo desta conferência de impressa é defender o bom nome da instituição, dos seus profissionais e da população em geral e repor a confiança, a serenidade, tranquilidade e estabilidade, numa equipa altamente diferenciada, competente e dedicada”, explicou.

Por isso, realçou que o SESARAM “não vai continuar a permitir que um colaborador que mereceu a confiança da instituição continue a denegrir a imagem nos vários meios disponíveis, nas redes sociais, na comunicação social, sem responsabilidade e sem qualquer sustentação nas informações que veicula”.

Tomásia Alves recordou que “decorreram processos de averiguação no Ministério Público, nas instâncias comunitárias, tribunal administrativo e todos esses processos foram arquivados”.

A responsável espera assim “voltar a obter a tranquilidade e serenidade” para o SESARAM “continuar a prestar os cuidados de saúde à população, com eficiência e humanidade”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)