Ralis

Final dramático deixou Ricardo Moura a oito segundos da vitória no rali dos Açores

Um acidente na última especial do rali dos Açores tirou um triunfo que parecia certo ao russo Alexey Lukyanuk (Citroën C3 R5), deixando Ricardo Moura (Skoda Fabia R5) na segunda posição.

Autor
  • Agência Lusa

Um acidente na última especial do rali dos Açores tirou um triunfo que parecia certo ao russo Alexey Lukyanuk (Citroën C3 R5), deixando Ricardo Moura (Skoda Fabia R5) na segunda posição, a apenas 8,4 segundos da vitória.

O piloto russo, campeão europeu em título e vencedor da prova insular em 2018, entrou para o dia de hoje, o último deste que é o rali de abertura do Campeonato da Europa (ERC), com 40 segundos de vantagem. O piloto do Citroën C3 chegou a ter 52 segundos de avanço após as duas primeiras especiais da manhã, mas a tarde viria a revelar-se decisiva.

Na penúltima classificativa, em Graminhais, Lukyanuk sofreu um furo logo após o quinto dos 24 quilómetros planeados, perdendo 1.30 minutos e caindo para o terceiro lugar, por troca com o polaco Lukasz Habaj (Skoda Fabia R5) e com o português Ricardo Moura.

Mas a derradeira classificativa açoriana, marcada pela chuva, deixou o russo fora de prova depois de ter capotado o seu Citroën numa curva à esquerda, em Tronqueira. “É frustrante”, lamentou o russo, que dominou os dois primeiros dias da corrida.

Desta forma, Lukasz Habaj segurou a vitória por 8,4 segundos, depois de uma investida final de Ricardo Moura ter permitido ao português recuperar dez segundos. “Esta última especial foi uma loucura, com muitas pedras na estrada. Estou muito contente, nem acredito no resultado. Lamento pelo Alexey, mas são assim os ralis”, disse o polaco.

Quanto a Ricardo Moura, não repetiu a vitória de 2016, mas foi o melhor português e assumiu a liderança do campeonato nacional. “Tentei no último troço recuperar a diferença e chegar à vitória. Não era tarefa fácil, até porque queria terminar o rali e qualquer excesso poderia deitar tudo a perder. O tempo que perdemos nos troços desta manhã ditaram o segundo lugar da geral, mas o primeiro do Campeonato de Portugal de ralis. Estamos muito contentes com o trabalho que fizemos”, disse.

Bruno Magalhães (Hyundai i20) foi o segundo melhor português, na quarta posição da geral, à frente de Ricardo Teodósio (Skoda Fabia R5), líder do campeonato nacional de ralis.

A dupla portuguesa Pedro Antunes e Paulo Lopes, representantes da FPAK Portugal Team ERC no Peugeot 208 R2 no ERC3 Júnior, acabou no quarto posto da categoria, 17.ª da geral, depois de ter liderado no primeiro dia. “A manhã de hoje foi difícil, não conseguimos atacar. Vamos continuar a trabalhar para vencer este campeonato”, comentou.

Já Aloísio Monteiro (Skoda Fabia R5) foi 13.º do ERC.

Ricardo Moura, que entre os portugueses venceu 11 troços, tem agora 46,43 pontos, contra os 55,84 de Ricardo Teodósio, que ganhou apenas quatro.

A próxima prova do Campeonato de Portugal de ralis acontece com o Rali de Mortágua, em 3 e 4 de maio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)