INEM

Metade dos helicópteros do INEM ou são substituídos ou vão ter de parar

302

A agência europeia que regula a segurança na aviação exige a substituição de helicópteros do INEM que continuam sem as condições necessárias, noticia o JN. A operadora dos helicópteros nega problemas.

Tiago Petinga/LUSA

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação Europeia (EASA) fez uma fiscalização à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e ordenou a substituição de dois dos quatro helicópteros ao serviço do INEM, que alegadamente continuam sem cumprir as exigências de transporte aéreo em casos de emergência médica. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias.

Um dos helicópteros em causa, o Bell 412, tem “22 anos de existência”, ultrapassando o máximo de 20 anos permitido às aeronaves que procedem a serviços de apoio ao INEM. O limite de 20 anos foi estabelecido no contrato entre a empresa britânica Babcock, que opera os helicópteros do INEM, e os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). Já o helicóptero Agusta 109P “não tem o desempenho previsto”, acrescenta o jornal.

A fiscalização do regulador europeu para a segurança na aviação encontrou “falhas no controlo das regras destas aeronaves”. Os helicópteros certificados para voos de emergência com mais de 20 anos, por exemplo, não têm “o sistema de monitorização de performance dos motores em voo [HUMS]”, refere o JN.

Fonte da empresa britânica Babock, que opera os helicópteros do INEM desde 2018, ano em que venceu um concurso internacional de 38,7 milhões de euros, “garantiu que a substituição dos aparelhos está para breve”. A empresa, contudo, tinha previsto no final do último ano que os helicópteros fossem substituídos até final de março deste ano, segundo o diário portuense, o que aindanão se verificou. Por sua vez o INEM, que terá dado dado autorização para a utilização de duas aeronaves, “afirmou desconhecer a situação”. Em dezembro do ano passado, o JN já tinha noticiado a necessidade de substituição do helicóptero.

Em comunicado enviado ao Observador, a operadora dos helicópteros, Babcock, garante que “as quatro aeronaves que estão ao serviço do INEM estão devidamente certificadas pelas autoridades e estão a ser operadas em ‘Performances Classe 1’, de acordo com as normas publicadas no Regulamento Comunitário 965/2012 de 5 de outubro, não estando previsto qualquer paragem das mesmas“.

A Babcock tem previsto, no estrito cumprimento do contrato assinado com o INEM, a substituição programada de duas aeronaves que atualmente estão ao serviço da Emergência Médica. Esta substituição não tem nenhuma relação com qualquer falha de certificação que ponha ou possa vir a pôr em risco a segurança da operação”, refere a operadora.

No dia 15 de dezembro de 2018, um helicóptero do INEM caiu em Valongo, provocando quatro mortes. As operações de busca e salvamento “foram dificultadas por o aparelho não dispor de um sinal localizador e por não terem sido respeitados os procedimentos nas comunicações”, adianta o Jornal de Notícias. O helicóptero que caiu também não possuía “um dispositivo que permite ao CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) monitorizar a trajetória em voo”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)