Rádio Observador

Futebol Americano

‘Quarterback’ Cam Newton vai deixar de fazer sexo durante um mês: “Faz a minha mente ficar mais forte”

O jogador de futebol americano junta-se à longa lista de atletas que deixam de fazer sexo para melhorar a performance no desporto. Cam Newton fez a revelação no The Late Late Show.

Cam Newton está a recuperar de uma lesão no ombro

Getty Images

quarterback Cam Newton, jogador de futebol americano dos Carolina Panthers, anunciou o próximo passo no plano para ser “emocionalmente mais controlado em campo”: vai passar este mês em abstinência sexual.

“Espero que este público seja de adultos e parece que é”, testou o atleta no programa “The Late Late Show” de James Corden: “Não haverá clímax”, atirou por fim. A recuperar de uma lesão, Newton acredita que a falta de sexo “faz a minha mente ficar mais forte. Sinto que, quando voltar a jogar, se disser que fiz estas coisas irei sentir-me mentalmente mais forte”, explicou.

Esta é a mais recente mudança que Cam Newton está a introduzir aos planos de treino e alimentação. A recuperar de uma lesão no ombro que o impossibilitou de completar a época passada, o quarterback já se tinha tornado vegan — carne já não comia, mas agora também retirou o peixe da dieta — e tinha deixado de participar em jogos de apostas. Agora vai mais longe: de 1 a 31 de março não pode fazer sexo.

Cam Newton não é o primeiro atleta a sugerir que a performance dentro de campo é prejudicada pela prática sexual. Em outubro do ano passado, Garry Cobb, ex-jogador de futebol americano, já tinha dito que a derrota dos Eagles frente aos Minnesota Vikings só tinha uma explicação: os atletas andavam a fazer demasiado sexo. “Acho que eles precisam entrar numa dieta. Não é de fast food. Os miúdos precisam de um corte das brincadeiras. Polui a mente deles, não conseguem pensar”, disse o atleta reformado num programa da FOX.

Mas não há indicações científicas de que essa relação seja válida. Laura Stefani, autora de uma investigação sobre o assunto noticiada pela Science Alert em 2016, disse que não encontrou sinais de que o sexo tenha consequências na performance em campo: “Abster-se de atividade sexual antes da competição atlética é um tema controverso no mundo do desporto. Mas não encontrámos evidências científicas robustas para indicar que a atividade sexual tem um efeito negativo sobre os resultados desportivos”.

No entanto, essa crença é muito antiga. Já nos tempos da Grécia Antiga o médico Areteu da Capadócia dizia que um atleta podia garantir melhores resultados físicos se “contivesse o sémen”. Antes, diz-se, o filósofo Platão costumava discutir com os atletas das Olimpíadas caso tivessem relações sexuais antes do evento. Hoje em dia, a ciência não consegue encontrar sinais desse efeito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)