O reality show “Quem Quer Casar Com o Meu Filho?” vai terminar mais cedo do que o previsto. A TVI vai acabar com o programa já no final deste mês, no último domingo de março, dia 31. A notícia foi avançada pelo diretor-geral da TVI, Bruno Santos, ao Correio da Manhã: “Devido às fracas audiências, e também ao facto de a produção não estar a corresponder às expectativas, a TVI decidiu antecipar o final do programa”, referiu.

O programa terá tido menos audiências do que o concorrente “Quem Quer Namorar Com o Agricultor?”, da SIC, que registou “quase 400 mil” espectadores a mais do que o reality show da TVI no seu dia mais visto, refere o Correio da Manhã. No último domingo, o reality show da TVI já “só” foi visto por 628 mil espectadores.

Ainda não se sabe qual será a próxima aposta da TVI para os domingos à noite. A estratégia será “outra”, diz o CM. “Daqui a alguns dias, anunciaremos. A nova grelha arrancará em abril”, apontou por sua vez o diretor-geral Bruno Santos.

O anúncio da antecipação do fim do reality show acontece também depois da polémica motivada pelas características do reality show, que a TVI começou a exibir há cerca de duas semanas. Considerado por parte do público misógino e sexista, o reality show motivou até queixas à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), assim como o seu concorrente “Quem Quer Namorar Com o Agricultor?”.

O humorista Guilherme Duarte, autor da página Por Falar Noutra Coisa, foi uma das figuras públicas que criticaram o programa da TVI no Facebook e no blogue homónimo: “‘Sabe fazer bons felácios? Sabe como é, um homem conquista-se pela boca’. Isto, sim, seria uma mãe preocupada com o bem-estar e a felicidade do filho. Estas mães não querem uma nora, querem uma Bimby”, escreveu ele.

Leonor Poeiras, escolhida para apresentar o programa, recusou que ele propagasse “machismo e sexismo”. “Alguma vez eu aceitaria apresentar um programa que trata a mulher como um objeto? Se tiverem curiosidade acompanhem este novo programa. Vamos mudar mentalidades! Que pena que ninguém tenha pensado no twist que este programa vai ter”, referiu a apresentadora, numa publicação na redes social Instagram.

Quem também não concordou com as críticas a “Quem Quer Casar Com o Meu Filho?” foi Piet-Hein Bakker, antigo produtor da Endemol, que há 18 anos trouxe para Portugal o “Big Brother”. Em entrevista ao Observador, Piet-Hein Bakker defendeu que a “igualdade homem-mulher não se resolve nem se agrava com um reality show” e que “o objetivo de um programa de entretenimento não é educar o povo”.

Já depois de estrear o reality show a que agora vai impor um fim antecipado, a TVI estreou mais um programa polémico: um reality show chamado “Começar do Zero”, que coloca participantes portugueses a oferecerem-se voluntariamente para abdicarem de todos os seus pertences — móveis, roupa, tecnologia, eletrodomésticos e até comida — para perceberem o real valor daquilo que têm” durante dez dias. Por outras palavras: coloca adultos a andar nus na rua, a correr no mato durante a noite,  a fazerem flexões ou a dormirem dentro de uma espécie de “fortificação” improvisada com pequenas peças de mobiliário.