Venezuela

“Coloco o lixo na rua e em 20 minutos alguém passa e come esse lixo”, diz lusodescendente na Venezuela

406

Luso-venezuelana relatou à Lusa que a crise naquele país é tanta que o lixo que coloca na rua ao final do dia é devorado em minutos.

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A luso-venezuelana e integrante do conselho das comunidades portuguesas Fátima Pontes Loreto relatou à agência Lusa que a crise naquele país é tanta que o lixo que coloca na rua ao final do dia é devorado em minutos.

Filha de madeirenses que cedo emigraram para a Venezuela, Fátima garante que viveu uma infância e juventude felizes naquele país sul-americano e que nunca imaginou vivenciar as situações que hoje tanto a impressionam.

“A Venezuela está muito pobre, há muita fome. Na minha casa, eu coloco o lixo lá fora e em 20 minutos passa gente e vemo-los a comer esse lixo. Isto nunca se havia visto na Venezuela. Existiram casos semelhantes há muito tempo, mas eram questões de malandragem, mas agora é fome”, assegurou.

Fátima Pontes Loreto é professora universitária e, por isso, reconhece que a sua situação pessoal está ainda um pouco distante da restante população venezuelana, afirmando que é recorrentemente acusada de não compreender o que se passa no país.

“Eu vivo numa urbanização, na cidade [de Valência], e os meninos passam e batem à minha porta e gritam: “milionária! vocês são ricos, não entendem. Por isso é que [Nicolás] Maduro vos tem de tirar daqui”. Mas isso não é assim. Esse é o doutrinamento do senhor [Hugo] Chávez e mantém-se porque trata-se de um populismo barato”, lamentou Fátima Loreto.

Sendo uma das integrantes do conselho das comunidades portuguesas na Venezuela, um órgão consultivo do Estado português, esta lusodescendente procura ao máximo ajudar a comunidade lusitana que reside naquele país, garantindo, no entanto, que é uma das mais afetadas em todo este momento de crise.

“A nossa comunidade é uma das mais afetadas na Venezuela. Eu acabo de ter um caso importante de um português, fora da minha região [de atuação] […] que estava num hospital como um indigente. O senhor teve um AVC (acidente vascular cerebral), e o filho, aproveitando-se da situação do pai, vendeu todas as suas propriedades, pois ele era um grande construtor civil. O filho vendeu tudo e deixou o pai na rua, a viver numa área de serviço”, contou Fátima Loreto, relatando de forma emocionada que o senhor acabaria por morrer, dias depois de ter sido resgatado das ruas.

Outros dos aspetos que a lusodescendente refere como marcante na atualidade daquele país é o aumento da criminalidade, informando que o consulado de Portugal em Caracas foi assaltado na semana passada.

“[Os assaltos] são típicos. É algo já natural e, lamentavelmente, pelas seis horas da tarde já temos de estar dentro das casas. À parte de que não há luz, o que faz aumentar a insegurança. […] Assaltaram também o consulado de Portugal em Caracas e roubaram os telemóveis, dinheiro, tudo. É uma tristeza aquilo que estamos a passar”, admite.

Como professora, Fátima afirma que a classe docente venezuelana tem sofrido pressões por parte de Maduro, para que o reconheçam publicamente como Presidente, ameaçando com cortes nos salários. Mas esta lusodescendente declarou à agência Lusa que não cede a pressões, e que o seu apoio pertence a Juan Guaidó, o autoproclamado Presidente interino da Venezuela.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Os mais recentes dados das Nações Unidas estimam que o número atual de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo situa-se nos 3,4 milhões.

Só no ano passado, em média, cerca de 5.000 pessoas terão deixado diariamente a Venezuela para procurar proteção ou melhores condições de vida.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)